Doutoramento Negócios nos Países Muçulmanos

EENI- Escola Superior de Negócios Internacionais

Doutoramento profissional (Doutorado) em Negócios Internacionais (DIB) especialização Países Islâmicos (educação à distância EaD)

Os objetivos do Doutoramento profissional (Doutorado) em Negócios Internacionais (DIB) especialização Países Muçulmanos (3 anos, 180 ECTS, à distância) são formar ao doutorando para que seja capaz de pesquisar sobre temas relacionados com os negócios no espaço económico islâmico (Ásia, África, Médio Oriente e Europa): o comércio intra-islâmico, os princípios da economia e das finanças islâmicas, a economia dos países muçulmanos, a integração regional dos países islâmicos, a civilização islâmica, as principais instituições económicas islâmicas... De forma que lhe permita aplicar soluções criativas e tomar decisões relacionadas com os negócios no espaço económico islâmico.

O Doutoramento profissional em Negócios nos Países Muçulmanos faz parte da categoria de Doutoramentos Profissionais em Negócios (DIB), os quais têm o dobro objetivo de fazer uma contribuição tanto ao conhecimento como à prática.

Estrutura do Doutoramento profissional (Doutorado) em Negócios Internacionais (DIB) especialização Países Muçulmanos

O programa do Doutoramento profissional em Negócios Internacionais nos Países Muçulmanos estrutura-se em três partes:

Estrutura Doutoramentos Negócios

1- Estudo das unidades curriculares (atividade formativa) do Doutorado (Doutoramento): mínimo 20 ECTS, máximo 60 ECTS

O doutorando deve realizar uma atividade formativa (complemento formativo), composta por uma série de unidades curriculares definidas segundo os seus estudos precedentes e a linha de investigação eleita relacionada com o espaço económico islâmico. A Direção do Doutoramento profissional em Negócios nos Países Muçulmanos determina os complementos de formação que precisa em função da linha de investigação, podendo o doutorando eleger as unidades curriculares entre as ofertadas pela EENI para a linha de investigação eleita com um mínimo de 20 ECTS (10 créditos AC) e um máximo de 60 ECTS.

Os candidatos graduados no Mestrado profissional em Negócios nos Países Muçulmanos da EENI estarão isentos de realizar complemento de formação algum, passando diretamente à fase de investigação do Doutorado.

Unidades curriculares oferecidas pela EENI

A EENI oferece ao doutorando uma série de unidades curriculares relacionadas com o espaço económico islâmico (mais de 150 ECTS / 75 AC). O doutorando pode selecionar as unidades curriculares mais adequadas em função da tese a realizar. O doutorando seleciona as unidades curriculares uma vez formalizado a inscrição.

Para facilitar a seleção das unidades curriculares que deve estudar o doutorando, se estruturam em vários blocos:

Doutoramento Países muçulmanos

  1. Islão
  2. Economia
  3. Negócios. Empresários
  4. Espaço económico islâmico
  5. Espaço económico árabe. Médio Oriente
  6. Espaço económico da Eurásia Central
  7. Espaço económico malaio (ASEAN)
  8. Islão na Índia
  9. Espaço económico magrebino
  10. Espaço económico africano (África Ocidental e Oriental)
  11. Islão na Europa
  12. Instituições económicas islâmicas
  13. Relações internacionais islâmicas
  14. Integração económica da civilização islâmica
  15. Luta contra a corrupção nos negócios nos países muçulmanos

Mais abaixo pode encontrar mais informação detalhada sobre as unidades curriculares disponíveis.

2- Trabalhos de investigação e plano de tese (40 ECTS) do Doutoramento profissional em Negócios nos Países Muçulmanos

Com o apoio do Diretor de tese, o doutorando deve realizar as investigações adequadas que lhe conduzam à realização do seu plano de tese. O doutorando tem de elaborar e apresentar um plano de tese, que no mínimo, tem de incluir o título provisório da tese, os objetivos que pretende alcançar, a metodologia que empregará e os meios e o planejamento temporário.

O doutorando deve estudar o módulo “Metodologia da investigação” que apresenta o método de preparação de uma tese.

Exemplos de temas de investigação sobre o espaço económico islâmico

EENI valorizará muito positivamente que os resultados da tese possam beneficiar ao desenvolvimento dos países muçulmanos bem como para tender pontes para o diálogo entre a civilização islâmica e o resto de civilizações.

3- Tese e defesa de tese (120 ECTS) do Doutoramento profissional em Negócios nos Países Muçulmanos.

Baixo a supervisão do Diretor de tese, o doutorando desenvolve a investigação e propõe os resultados obtidos. O doutorando poderá selecionar a temática que deseje dentro dos parâmetros das linhas de investigação propostas pela EENI, criando uma tese que deve ser completamente original e própria, a qual será publicada na plataforma da EENI criada a tal efeito.

A Direção do Doutoramento pode autorizar o depósito de tese como compêndio de publicações sempre que se reúnam os requisitos estabelecidos pela Direção da EENI (Escola Superior de Negócios Internacionais).

Diretor do Doutoramento em Negócios Internacionais especialização Países Muçulmanos: Najib Yahya Abdulalem Hassan

Najib Yahya Abdulalem

A defesa da tese realiza-se por videoconferência.

No processo de admissão, a Direção do Doutoramento atribuirá ao estudante um tutor, o qual é o responsável por coordenar a atividade do estudante no programa de doutorado.

Além disso, é atribuído um Diretor de tese, que deve guiar ao estudante no planejamento da mesma e é o máximo responsável pela coerência e novidade da tese. O Diretor de tese poderá ser eleito pelo estudante entre o quadro próprio de doutores da EENI ou livremente sempre que seja doutor. O tutor e o Diretor podem coincidir. Admite-se assim mesmo a codireção de tese.

Diretora dos Doutoramentos em Negócios Internacionais: Dra. Margarita Carrillo López

Dra Marga Carrillo

A EENI outorga Mestrado Honoris Causa ao Príncipe Alwaleed Bin Talal
Príncipe Alwaleed Bin Talal EENI

Solicitar informação do Doutoramento profissional em Negócios nos Países Muçulmanos

Idiomas do Doutoramento profissional em Negócios nos Países Muçulmanos. Todas as unidades curriculares ofertadas do Doutoramento estão em inglês. Aproximadamente o 50% do de matérias estão em espanhol ou francês e o 30% em português Pt. Assim, dependendo das matérias selecionadas, o doutorando pode realizar este Doutoramento integralmente em português (ou em inglês, francês ou espanhol); os estudantes deve ter um nível suficiente para poder estudar as matérias nestes idiomas.

En DIB Muslim Countries Es DIB Musulmanes En DIB Islam.

Duração: máximo de três anos naturais a contar desde a inscrição da matrícula no programa até o depósito da tese. Se decorrido o prazo de três anos naturais não se depositou a tese, a Direção do Doutoramento do programa pode autorizar uma prorrogação de até dois anos.

  1. Preço do Doutoramento Negócios na África: 5.220 Euros (tudo incluído)
  2. Bolsas de estudo. Desconto de 40% para alunos (as) dá Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste e da diáspora africana. Preço do Doutoramento para estes alunos: 3.123 Euros (1.044 Euros / ano)
  3. Consultar bolsas para outros alunos de Portugal, Ásia, América, Médio Oriente...
  4. Faça o download do programa do "Doutoramento Negócios nos Países Muçulmanos" (PDF)

Educação para todos

Requisitos. Para ser admitido no Doutoramento profissional em Negócios Internacionais especialização Países Muçulmanos os estudantes deve ter obtido um título de Mestrado ou ter um mínimo de três anos de experiência laboral em postos de relevância no âmbito dos negócios internacionais.

Os estudantes graduados no Mestrado em Negócios nos Países Muçulmanos da EENI poderão aceder ao Doutoramento profissional em Negócios Internacionais especialização Países Muçulmanos convalidando todas as matérias do Doutoramento já estudadas no mestrado.

Diploma do Doutoramento profissional em Negócios nos Países Muçulmanos
O diploma de Doutoramento concede-se após avaliar:
- O grau de participação do doutorando nas unidades curriculares do Doutorado.
- A investigação realizada
- A defesa de tese.

Uma vez defendida e superada a tese do doutorado, os doutorandos obterão o título próprio de “Doutoramento profissional em Negócios Internacionais (DIB) especialização Países Muçulmanos” emitido pela EENI (Escola Superior de Negócios Internacionais).

Público-alvo: graduados e profissionais que trabalham e que desejem continuar sua carreira no campo dos negócios internacionais com ênfase no espaço económico islâmico.

Professores da EENI:
Professores EENI

Mercados analisados no Doutoramento profissional (Doutorado) em Negócios Internacionais especialização Países Muçulmanos:
Doutoramento Mercados islâmicos

O espaço económico islâmico

  1. O grau de interligação económica entre os países do espaço económico islâmico é muito pequeno, excetuando os países muçulmanos que pertencem a algum bloco de integração como o Conselho de Cooperação do Golfo
  2. A principal instituição é a Organização para a Cooperação Islâmica (OCI).
    1. Sistema de comércio preferencial entre os estados membros da OCI
  3. Todos os países árabes pertencem a Liga Árabe.
  4. De modo geral, as relações económicas dos países muçulmanos com outras civilizações estão muito pouco desenvolvidas.
  5. A banca islâmica e as finanças islâmicas (conformes com a Charia) são a cada vez mais importantes nos países islâmicos.

O espaço económico islâmico representa uma população de uns 1.600 milhões de muçulmanos (um 23% da humanidade, 200 milhões no ano 1.900)

  1. Estima-se que entre um 75 e um 90% dos muçulmanos são sunitas e o resto xiitas.
  2. Ásia representa o 62% da população mundial muçulmana e o 25% da população asiática (1.100 milhões de muçulmanos).
    1. Na ASEAN o Islão representa o 42% da população (241 milhões de muçulmanos).
    2. Todos os países da Ásia Central têm maiorias muçulmanas.
      1. O Irão é um país muçulmano centro-asiático com maiorias xiitas
    3. Os quatro países com maiores populações muçulmanas são Indonésia, Paquistão, Índia e Bangladeche
      Na Índia vivem cerca de 172 milhões muçulmanos
  3. Médio Oriente: só o 15% da população mundial muçulmana é árabe
    1. Arábia Saudita é a principal economia regional e, além disso, um dos "líderes espirituais" do Islão sunita. Tanto a sede do Banco Islâmico de Desenvolvimento como da OCI estão em Jidá
  4. África. Estima-se que cerca de 422 milhões de africanos (40% da população africana) são muçulmanos (a maioria sunita)
    1. Países africanos com uma população muçulmana superior ao 90%: Argélia, Gâmbia, Guiné, Líbia, Mali, Marrocos, Mauritânia, Níger, Saara Ocidental, Senegal, Somália, Tunísia, Jibuti.
    2. Países africanos com uma população muçulmana entre o 50% e o 90%: Burquina Faso, Chade, Egito, Eritréia, Guiné-Bissau, Serra Leoa, Sudão
    3. Nigéria, a maior economia africana, tem aproximadamente um 50% da população muçulmana.
  5. Estima-se que cerca de 300 milhões de muçulmanos vivem nos países em onde o Islão não é a religião majoritária: China, Índia, Rússia. Neste Doutoramento só se incluí à Índia (terceira população muçulmana do mundo).
  6. Europa. O Islão é a segunda religião na Europa, estima-se que cerca de 44 milhões de muçulmanos vivem na Europa (6% da população Europeia).
    1. Países europeus membros da OCI: Albânia e Turquia.
  7. América. A Guiana pertence à OCI

Uns 290 milhões de pessoas falam o árabe, o idioma de referência da Umma (comunidade islâmica), é o quinto idioma do mundo.

  1. O árabe é oficial na Arábia, Argélia, Barém, Qatar, Egito, Emirados Árabes, Iraque, Jordânia, Kuwait, Líbano, Líbia, Marrocos, Mauritânia, Omã, Palestina, Síria, Sudão, Iémen, Tunísia.
  2. O árabe é, além disso, co-oficial no Chade, as Comores, o Saara Ocidental, Somália e Jibuti.

Alunos EENI muçulmanos
Alunos EENI Médio Oriente

Linhas de investigação do Doutoramento profissional (Doutorado) em Negócios Internacionais (DIB) especialização Países Muçulmanos:

  1. O doutorando deve selecionar as unidades curriculares mais adequadas para a sua tese
  2. O doutorando pode utilizar qualquer combinação possível de matérias
  3. O mínimo de ECTS a selecionar é de 20 e o máximo de 60
  4. NOTA: entre colchetes indicam-se os créditos ECTS

Islão: pilares, economia islâmica, negócios, empresários, fundos de desenvolvimento árabes

Islão e negócios

Islam Negócios

  1. Cinco pilares do Islão
  2. Sunitas e xiitas
  3. Charia
  4. Jurisprudência islâmica
  5. Economia e banca islâmica
  6. Impacto Económico do Zakat
  7. Introdução ao árabe
  8. A Umma (comunidade islâmica) no mundo
  9. O Islão na economia globalizada
  10. Direitos Humanos no Islão
  11. Negociação nos países muçulmanos
  12. Empresários muçulmanos
  13. Créditos da unidade curricular "Islão": 5 ECTS

Fundos Árabes para o Desenvolvimento

  1. Fundo Monetário Árabe
  2. Fundo Árabe para o Desenvolvimento Económico e Social
  3. Fundo Kuwaitiano para o Desenvolvimento Económico Árabe
  4. Programa de Financiamento do Comércio Árabe
  5. Fundo OPEP para o Desenvolvimento internacional
  6. Fundo de Abu Dabi para o Desenvolvimento
  7. Fundo Saudita para o Desenvolvimento
  8. Programa Árabe do Golfo para as Organizações de Desenvolvimento das Nações Unidas (AGFUND)
  9. Créditos: 1 ECTS

Espaço económico islâmico

  1. O Islão como fator comum da civilização islâmica
  2. Espaços económicos da civilização islâmica
    1. Espaço económico árabe [1]
    2. Espaço económico da Eurásia Central [2]
    3. Espaço económico malaio
    4. Espaço económico magrebino [1]
    5. Espaço económico africano
      1. Espaço económico da África Ocidental [2]
      2. Espaço económico da África Central [1]
      3. Espaço económico da África Oriental [2]
  3. Integração económica da civilização islâmica
  4. Interações da civilização islâmica com outras civilizações
  5. Créditos: 9 ECTS

Organizações económicas relacionadas com os países islâmicos.

Economia islâmica

  1. Liga dos Estados Árabes [1]
  2. Comissão Económica e Social para a Ásia Ocidental (CESAP) [1]
  3. Banco Islâmico de Desenvolvimento [1]
  4. Organização para a Cooperação Islâmica (OCI) [2]
    1. Centro de Investigação Económica - Social e de Formação para os Países Islâmicos
    2. Centro Islâmico para o Desenvolvimento do Comércio Exterior
    3. Câmara de Comércio e Indústria Islâmica
    4. Comité para a Cooperação Económica e Comercial da OCI
    5. Sistema de Comércio Preferencial da OCI (TPS-OCI)

Tratados de livre comércio (TLC) dos países muçulmanos.

  1. Acordo de Agadir

Relações internacionais islâmicas:

  1. Cúpula América do Sul-Países Árabes (ASPA) [0,5]
  2. Diálogo Ásia-Médio Oriente (AMED) [0,1]
  3. Associação Estratégica África-Ásia [0,2]
  4. Plano de Colombo [0,1]
  5. Diálogo de Cooperação da Ásia
  6. Foro BOAO para a Ásia [0,1]
  7. Fórum África-Índia [0,5]
  8. África-Países BRICS [0,3]
  9. Associação da Bacia do Oceano Índico [0,5]
  10. União Europeia: Sistema de Preferências Generalizadas, Parceria Euro-Mediterrânica
  11. Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE)

Médio Oriente (24 ECTS)

Negócios no Médio Oriente

  1. Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) [1,2]
    1. Arábia Saudita [3]: Estado Central da civilização islâmica?
    2. Barém [2]
    3. Catar [1]
    4. Emirados Árabes Unidos [2]
    5. Kuwait [1]
    6. Omã [1]
  2. Países não membros do CCG
    1. Jordânia [1]
    2. Líbano [2]
    3. Síria [0,5]
    4. Iémen [1]
  3. A mulher árabe e os negócios
  4. Homens de negócios muçulmanos do Médio Oriente [1]: Al Waleed Bin Talal, Lubna Olayan, Mohamed Bin Issa Al Jaber, Jawad Ahmed Bukhamseen, Nasser Al Kharafi, Shaikha Al Bahar, Amina Al Rustamani, Yusuf Bin Ahmed Kanoo, Abdul Aziz Ghurair,Majid Al Futtaim, Mohammed Al Barwani, Mohammed Hussein Ali Al Amoudi, Sulaiman Al Rajhi, Haifa Al Mansour, Lubna Bint Khalid Al Qasimi, Reem Ebrahim Al Hashimi, Hanan Al Kuwari, Maha Al Ghunaim...
  5. Faça o download do conteúdo programático do Modulo Fazendo negócios no Médio Oriente (PDF).

Mercados muçulmanos asiáticos.

  1. A Ummah (Comunidade muçulmana) na Ásia
  2. As mulheres e os homens de negócios muçulmanos da Ásia: Muhammad Yunus, Salahudin Sandiaga Um, Mian Muhammad Mansha, Muhammad Abdul Mannan, Dewan Yousuf Farooqui, Salman Rahman, Tão Sri Mokhtar, Wipro Azim Premji, Yusuf Hamied...
  3. Inter-relações da civilização islâmica com a civilização hindu, budista, sínica e japonesa.
  4. Comissão Económica e Social para a Ásia e o Pacífico (CESPAP) [1]
  5. Banco Asiático de Desenvolvimento [1]
  6. Foro de Cooperação América Latina-Ásia (FEALAC) (0,1 ECTS)
  7. União Asiática de Compensação (ACU) [0,1]
  8. Associação para a Cooperação Regional do Sul da Ásia (SAARC) [0,1]
  9. Iniciativa da Baía de Bengala (BIMSTEC) [0,1]
  10. Cooperação Económica Sub-regional da Ásia do Sul (SASEC) [0,1]
  11. Acordo Comercial Ásia-Pacífico (APTA)
  12. Bangladeche (149 milhões de muçulmanos) [2]
  13. As Maldivas [0,5]

Países muçulmanos da ASEAN:

Países muçulmanos da ASEAN

  1. Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) [3]
    1. Islão na ASEAN: 42% da população da ASEAN
    2. Comunidade económica da ASEAN
    3. Área de livre comércio da ASEAN
    4. Triângulo de Crescimento Tailândia-Indonésia-Malásia (IMT-GT)
    5. Área de crescimento do leste da ASEAN
  2. Indonésia [3]: o país com a maior população muçulmana do mundo.
  3. Malásia [2]
  4. Brunei [1]
  5. Cooperação Económica Ásia-Pacífico (APEC) [2]
  6. Acordo Estratégico Transpacífico (TPP)
  7. Reunião Económica Ásia-Europa (ASEM) [0,1 ECTS]
  8. Fórum de Cooperação América Latina-Ásia do Leste (FOCALAL) [0,1]

Eurásia Central:

Negócios na Eurásia Central

  1. Irão [2]: país muçulmano com uma maioria xiita.
    1. Guarda Revolucionária Islâmica
    2. Bonyads
  2. Paquistão [2]
  3. Quirguistão [1]
  4. Cazaquistão [1]
  5. Uzbequistão [1]
  6. Tajiquistão [1]
  7. Turquemenistão [1]
  8. Turquia [3]
  9. Organização para a Cooperação de Xangai (SCO) [0,1]
  10. Comunidade dos Estados Independentes (CEI) [0,4]
  11. Organização para a Cooperação Económica (ECO) [0,1]
  12. Comunidade Económica Euro-Asiática (EurAsEC) [0,5]
  13. Conselho de Cooperação dos Estados de Língua Túrquica [0,1]
  14. União Económica Euroasiática (EEU) [0,2]
  15. Programa de cooperação económica Regional da Ásia Central (CAREC)

Índia

Negócios na Índia

  1. A Índia (14% da população índia é muçulmana - 172 milhões de muçulmanos-, sendo a segunda religião da Índia e o terceiro país do mundo por número de muçulmanos)
  2. O Islão na Índia
  3. Empresários muçulmanos indianos: Azim Premji e Yusuf Khwaja Hamied
  4. Influência do Islão na civilização hindu
  5. Sijismo (religião sincrética entre o Islão e o hinduísmo)
  6. Nota: a EENI oferece ao aluno diferentes unidades curriculares relacionadas com a Índia (26 ECTS).

Mercados muçulmanos africanos.

  1. O Islão na África
  2. Historiadores muçulmanos africanos [1]

Confiamos na África

Instituições económicas fundamentais na África:

África transformação Instituições

  1. União Africana (UA) [1]
  2. Nova Parceria para o Desenvolvimento da África (NEPAD) [0,7]
  3. Comissão Económica para África (ECA) [1]
  4. Banco Africano de Desenvolvimento [1,3]
  5. Faça o download do programa do curso: "Instituições africanas" (PDF)

Outras organizações africanas:

  1. Cooperação África-Países Árabes [0,2]
  2. Banco Árabe para o Desenvolvimento Económico da África (BADEA)
  3. Organização para a Harmonização em África do Direito dos Negócios (OHADA) [1]
  4. Acordo Tripartido COMESA-EAC-SADC [0,1]
  5. Área de Livre Comércio Continental Africana (CFTA) [0,5]
  6. Comunidade dos Estados Sahelo-Saarianos (CEN-SAD) [0,1]

Magrebe (9 ECTS)

Magrebe Negócios

  1. União do Magrebe Árabe (UMA) [0,7]
  2. Argélia [1]
  3. Líbia [0,5]
  4. Marrocos [2]
  5. Mauritânia [0,5]
  6. Tunísia [2]
  7. Homens de negócios muçulmanos do Magrebe: Othman Benjelloun, Ali Haddad, Aziz Akhannouch, Anas Sefrioui, Mohamed Hassan Bensalah, Miloud Chaabi
  8. Portos magrebinos [1,1]
  9. Faça o download do programa do modulo: "Magrebe" (PDF)

Países muçulmanos da África Ocidental.

África Ocidental Negócios

Na África Ocidental, 50% da população é muçulmana

  1. União Económica e Monetária da África do Oeste (UEMOA) [2]
  2. Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) [2]
  3. Área Monetária da África do Oeste (ZMAO)
  4. Autoridade da Bacia do Níger (0,1 ECTS)
  5. Organização para o Desenvolvimento do Rio Senegal (0,2 ECTS)
  6. União do Rio Mano
  7. Níger [1]
  8. Senegal [2]
  9. Mali [1]
  10. Guiné [1]
  11. Gâmbia [1]
  12. Serra Leoa [1]
  13. Burquina Faso [1]
  14. Nigéria [3]
  15. Guiné-Bissau [0,5]
  16. Empresários (as) da África Ocidental [0,6]: Alhaji Aliko Dangote, Hajia Bola shagaya, Adewale Tinubu, Olufemi Otedola, Alhaji Muhammadu Dr Indimi, Dr. Amina Odidi, Abdulsamad Rabiu, Tunde Folawiyo...
  17. Portos da África Ocidental [1,5]
  18. Faça o download do programa "África Ocidental" (PDF)

Integração regional na África Ocidental
Integração África Ocidental

Países muçulmanos da África Central

  1. Chade [1]
  2. Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC) [0,5]

Países muçulmanos da África Oriental.

África Oriental Negócios
  1. Mercado Comum da África Oriental e Austral (COMESA) [2]
  2. Autoridade Intergovernamental para o desenvolvimento (IGAD) [0,1]
  3. Iniciativa da Bacia do Nilo
  4. Comores [0,5]
  5. Jibuti [2]
  6. Egito [3]
  7. Eritreia [0,5]
  8. Somália [0,5]
  9. Sudão [3]
  10. Quénia [3], Tanzânia [2] e Moçambique [2]  também têm importantes populações muçulmanas.
  11. As mulheres e os homens de negócios da África Oriental: Mohamed Ibrahim, Mohamed Mansour, Hassan Abdalla, Said Bakhresa, Tarek Talaat Moustafa, Reginald Mengi, Mohammed Hussein Ali Al Amoudi, Minoush Abdel-Meguid, Ahmed Mekky, Osama Abdul Latif, Iman, Naushad Merali
  12. Portos da África Oriental
  13. Faça o download do módulo: "África Oriental" (PDF)

Integração África Oriental

Mercados muçulmanos da Europa.

  1. Islão na Europa
  2. Azerbaijão [1]
  3. Turquia [3] (união aduaneira Turquia-UE)
  4. Organização Regional para a Democracia e Desenvolvimento Económico (GUAM) [0,2]
  5. Organização de Cooperação Económica do Mar Negro [0,2]
  6. Sinergia do Mar Negro
  7. Comissão Económica para a Europa [0,2]

A luta contra a corrupção nos negócios nos países muçulmanos.

Curso Não à corrupção Negócios

Não à corrupção

  1. Faça o download do conteúdo programático do módulo "Não à corrupção" (PDF)

As principais instituições relacionadas com os países islâmicos analisados no Doutoramento (Doutorado) em Negócios nos Países Muçulmanos: a Liga dos Estados Árabes, a Comissão Económica para o Oeste Asiático (ESCWA), o Banco Islâmico de Desenvolvimento, a Organização para a cooperação Islâmica, a União Económica e Monetária da África do Oeste, a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, a União do Magrebe Árabe, a Comunidade Estados Sahel Saariano, a Sinergia do Mar Negro, a Associação das Nações do Sudeste Asiático ASEAN, a União Asiática de Compensação, a Organização para a Cooperação Xangai, a Associação para a Cooperação Regional do Sul da Ásia, a Comunidade dos Estados Independentes, a Organização para a Cooperação Económica, a Comunidade Económica Euroasiática, a Comissão Económica Social Ásia...

Os principais mercados analisados no Doutoramento em Negócios nos Países Muçulmanos: a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, Barém, Kuwait, Catar, Omã, Iémen, Jordânia, Síria, Líbano, Brunei Darussalã, Bangladeche, Indonésia, Irão, Índia, Malásia, Paquistão, Egito, Nigéria, Sudão, Uganda, Azerbaijão, a Turquia...

Principais casos de empresários muçulmanos e mulheres árabes analisados: Príncipe Bin Talal, ao Jaber, Bukhamseen, Kharafi, Kanoo, Ghurair, Futtaim, Barwani, Abdalla, Qasimi, Hashimi, Rustamani, Maskari, Olayan, Sindi, Bahar, Ghunaim, Kuwari, Ayoubi, Bdeir, Mo Ibrahim, ao Amoudi, Talaat, Mansour, Latif, Harrath, Benjelloun, Dangote Yunus, Mansha, Rahman, Farooqui, Sandiaga Uno, Premj, Hamied.

Exemplos do Doutoramento profissional em Negócios nos Países Muçulmanos

Charia Islão

Xeque Mohamed Al Amoudi

América do Sul-Países Árabes

Cooperação Afro-Árabe

Fiqh (Jurisprudência islâmica)

Ásia-Médio Oriente AMED

Direitos Humanos no Islão

União do Magrebe Árabe

Hassan Abdalla

Economia islâmica Zakat

Osama Abdul Latif

Mohamed Ibrahim

Banca islâmica Zakat

Mohammad Abdul Mannan

Conselho Cooperação Golfo

Alhaji Dangote

Tawakkol Karman



EENI Escola de Negócios