Economia islâmica. Zakat

EENI- Escola Superior de Negócios Internacionais

Conteúdo programático da subunidade curricular - economia islâmica. Economistas islâmicos:

  1. Princípios da economia islâmica (civilização islâmica)
  2. A importância do ZAKAT
  3. Banca islâmica
  4. Hawala
  5. Fundos Waqf
  6. Economistas islâmicos
      - Doutor M. Umer Chapra
      - Doutor Kurshid Ahmad
      - Muhammad Abdul Mannan
  7. Comportamento do consumidor islâmico
  8. Certificado Halal
  9. Fundos Árabes para o Desenvolvimento

"Os princípios das finanças islâmicas podem representar uma possível solução para os mercados em crises." (Osservatore Romano)

Exemplo da subunidade curricular - economia islâmica:
Economia islâmica Zakat

A subunidade curricular "Economia Islâmica:" estuda-se:
  1. Mestrados profissionais: Negócios Internacionais, Países Muçulmanos
  2. Doutoramentos (EaD à distancia): Ética, Religiões e Negócios, Mercados Muçulmanos

Idioma de estudo: Pt ou Es Economia islâmica En Islamic Economics Fr Islam.

Descrição da subunidade curricular - economia islâmica:

Os princípios da economia islâmica fundamentam-se no Alcorão, na Charia, na Sunna, e nos Hádices (exemplos e palavras de Maomé), como quase qualquer outra feição do Islão.

O conceito de sistema económico no Ocidente e no mundo islâmico é muito diferente, enquanto no primeiro tende-se a uma secularização da economia, nos países islâmicos a religião deveria ocupar um papel principal.

Por isso, há experientes que falam de uma economia islâmica que procura o progresso económico mas preservando a moral e os valores muçulmanos, com características próprias e diferenciadas em relação à economia capitalista dos países ocidentais ou à economia socialista. O budismo também desenvolveu o conceito de economia budista.

As características centrais de uma economia islâmica são:

  1. As normas de comportamento e a ética derivada do Alcorão e da Sunna
  2. O imposto Zakat como base da política fiscal islâmica. Um bom muçulmano deve pagar anualmente o 2,5% de seu património de sua riqueza neta (não de seu património), para benefício dos irmãos mais despossuídos ou em estado de desgraça

Banca islâmica Zakat

Para os produtos agrícolas, os metais preciosos, os minerais, e o gado o Zakat pode variar entre um 2,5 (1/40) e um 20 por cento, em função do tipo de mercadorias. O Zakat foi criado para desalentar o agregado de capital e estimular o investimento. Os meios de produção, tais como os equipamentos, as fábricas e as ferramentas estão isentos do Zakat.

Em alguns países muçulmanos como a Arábia Saudita e o Paquistão, o Zakat é obrigatório e se recolhe de forma centralizada pelo Estado. Na Jordânia, Barém, Kuwait, o Líbano e Bangladeche, o Zakat é regulado pelo Estado, mas as contribuições são voluntárias. Faz poucos anos no Sudão arrecadava-o a Câmara de Comércio.

  1. A proibição de interesse (Riba)

No Islão o direito à propriedade é temporária, e é relacionado com o bom uso que o proprietário lhe de. A Charia proíbe a propriedade individual dos bens públicos (ou livres) como a água ou o ar, também proíbe a propriedade individual de certas matérias prima básicas (mineração, o petróleo, etc.). Os monopólios, sobretudo os relacionados com o setor financeiro, também estão proibidos no Alcorão.

O Islão favorece e fomenta as relações comerciais como base de criação de riqueza, desalenta a excessiva riqueza, proíbe a Usura (Riba em árabe). Na economia islâmica o comércio não deveria ser gravado, já que a função de distribuição da riqueza baseia-se no Zakat.

Ética Islão

No Islão existe o direito à propriedade privada (desfrutá-la, vendê-la, etc.), mas não existe o direito à destruir ("tudo pertence à Deus").

O hawala, é um antigo sistema informal de transferência de fundos, tem sua origem na lei islâmica clássica. Estas operações não costumam estas controladas pelos governos. Segundo as Nações Unidas (NU), o 'hawala' move mais de 200.000 milhões de dólares ao ano.

O Waqf na lei islâmica seria o equivalente ao fideicomisso inglês. É um fundo privado para obras de Caridade.

O Doutor M. Umer Chapra é Assessor de Investigação no Instituto Islâmico de Investigação e Formação do Banco Islâmico de Desenvolvimento (Jidá, a Arábia Saudita). Suas contribuições mais destacadas foram os quatro livros que indicamos a seguir:
- "Para um sistema monetário Justo" (1985)
- "O Islão e o Desafio Económico" (1992)
- "O futuro da economia: uma perspetiva islâmica" (2000)
- "A civilização muçulmana: as causas da decadência e da necessidade da reforma" (2008).

O Dr Khurshid Ahmad nasceu em 1932 em Deli (então império britânico); é um economista ultraconservador paquistanês e ativista islâmico reconhecido por ser o pioneiro no desenvolvimento da Jurisprudência Islâmica económica como princípio académico. É considerado um dos pensadores mais influentes no campo da economia islâmica.

Mohammad Abdul Mannan:
Mohammad Abdul Mannan

Religiões e negócios.



EENI Escola de Negócios