Escola de Negócios EENI Business School

Espaço Económico Africano



Compartilhar por Twitter

Programa de módulo: Espaço Económico da Civilização Africana.

O módulo: «Espaço Económico da Civilização Africana» ministrado pela EENI Global Business School (Escola de Negócios) é composto por nove partes:

  1. Introdução à Civilização Africana;
  2. História de África
    1. África: o berço da humanidade;
    2. Tráfico negreiro - tráfico transatlântico;
    3. Abolição da escravatura;
    4. Historiadores africanos;
    5. Diáspora africana.
  3. Instituições africanas que lideram a transformação de África
    1. União Africana (UA) - Agência de Desenvolvimento da União Africana (AUDA-NEPAD);
    2. Banco Africano de Desenvolvimento (BAfD);
    3. Comissão Económica para a África (ECA).
  4. Economia e Negócios em África
    1. Transformação económica africana;
    2. Comércio intra-africano;
    3. Governança económica em África;
    4. Mercados fronteiriços africanos;
    5. África: o próximo continente emergente;
    6. Mulheres e homens de negócios do Espaço Económico Africano.
  5. Espaço Económico africano da Civilização Africana
    1. A Nigéria e a África do Sul como os estados centrais da Civilização Africana;
    2. O perfil económico dos países africanos;
    3. Espaço Económico Africano e a integração em África
      1. Espaço Económico da África Ocidental;
      2. Espaço Económico da África Central;
      3. Espaço Económico da África Austral;
      4. Espaço Económico da África Oriental;
      5. Espaço Económico Magrebino.
  6. A integração económica da Civilização Africana (instituições, acordos...);
  7. Transporte e Logística em África;
  8. Interações da Civilização Africana com as outras civilizações;
  9. Outras organizações económicas relacionadas com a Civilização Africana.

Objetivos do módulo «Espaço Económico Africano»:

  1. Definir as características do Espaço Económico da Civilização Africana;
  2. Conhecer o perfil económico dos países africanos;
  3. Compreender a influência do Islão e do cristianismo no Espaço Económico Africano;
  4. Compreender os processos de integração económica da Civilização Africana;
  5. Analisar os perfis dos principais homens e mulheres de negócios;
  6. Conhecer as relações económicas da Civilização Africana com as outras civilizações (ocidental, Sínica, budista, hindu, ortodoxa e islâmica);
  7. Analisar as principais organizações económicas relacionadas ao Espaço Económico Africano.

Exemplo:
Área de livre-comércio África (curso mestrado doutoramento)

Confiamos em áfrica. Ensino superior a preços acessíveis para os africanos. Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé

Estudante Doutoramento, Mestrado, Negócios Internacionais, Comércio Exterior

O módulo «Espaço Económico da Civilização Africana» é estudado nos seguintes programas de ensino superior ministrados pela EENI:

Doutoramento (Doutorado DIB): Ética, Religiões e Negócios, Negócios Africanos, Comércio Mundial.

Doutorados (Doutoramentos) Profissionais em Negócios Internacionais - Formação online

Mestrados (MIB): Negócios em África, Negócios Internacionais, Comércio Exterior, Religiões e Negócios.

Mestrados em Comércio Exterior e Negócios Internacionais - Formação online

Curso: Cristianismo e Negócios.

Línguas: Ensino superior à distância (Cursos, Mestrados, Doutoramento) em Português, comércio exterior ou Estudar em Inglês online, curso mestrado doutoramento, comércio exterior, negócios internacionais African civilization Estudar mestrado negócios internacionais e comércio exterior em Francês Civilisation Africaine Mestrado negócios internacionais comércio exterior EAD em Espanhol Civilización africana.

Mestrados e Doutoramento em Negócios Internacionais adaptados para os estudantes de Angola, de Cabo Verde, da Guiné-Bissau, de Moçambique e de São Tomé e Príncipe.

Formação online (Curso, Mestrado, Doutoramento: Integração regional africana

Os mercados analisados:
Mestrado à distância online em Negócios em África

Nota preliminar: Há experientes, sobretudo no Ocidente, que preferem não considerar a existência de uma Civilização Africana. O nosso ponto de vista é totalmente o inverso: achamos que efetivamente existe uma, ou mais civilizações ou sub-civilizações africanas, um ponto de vista compartilhado por quase todos os historiadores africanos.

Além disso, nunca devemos de esquecer que a África é o berço da humanidade e que desde ela o Homo sapiens colonizou o resto do mundo.

A EENI quer participar desta renascença africana, e ajudar a explicar ao mundo uma função fundamental que a África, tiveram, tem e terá na história da Humanidade.

Por isso, dentro deste módulo sobre a Civilização Africana, se desenvolveram uma série de unidades curriculares sobre a história de África, os historiadores africanos, o tráfico de escravos, a diáspora africana... Que permitem compreender melhor a realidade africana de hoje em dia.

Para ajudar a compreender melhor a situação económica de África, as cinco áreas económicas da Civilização Africana são analisadas.

África continente emergente. Por que fazer negócios em África?. Transformação socioeconómica africana

Exemplo:
Isabel dos Santos, a mulher mais rica da África (Mestrado, Negócios, Angola)

As unidades curriculares do módulo «Espaço Económico da Civilização Africana».

1- Introdução à Civilização Africana.

  1. O continente africano;
  2. Geografia de África;
  3. Grupos étnicos africanos;
  4. Principais línguas de África: inglês, francês, português, árabe, suaíli... O espanhol é uma língua oficial da União Africana e da Guiné Equatorial;
  5. Tendências da população africana;
  6. Religiões em África
    1. Islão;
    2. Cristianismo;
    3. Religiões tradicionais africanas.

Formação online (Curso, Mestrado, Doutoramento: Islão, Ética e Negócios. Espaços Económicos Islâmicos

2- História de África.

  1. A liderança de África na história da humanidade
    1. Origem comum africana da humanidade.
  2. Pré-história africana
    1. A Civilização Africana e o Egito antigo.
  3. África Antiga;
  4. África séculos VII - XI;
  5. África séculos XII - XVI;
  6. África séculos XVI - XVIII;
  7. África século XIX - 1880;
  8. Colonização;
  9. Independência dos países africanos.

3- Instituições económicas da Civilização Africana.

Formação online (Curso, Mestrado, Doutoramento: Instituições africanas (UA, AFDB, AUDA-NEPAD, UNECA)

Curso Mestrado: África transformação Instituições, União Africana, Comissão Económica África, Banco Africano Desenvolvimento

A integração económica da Civilização Africana (instituições, acordos...).

  1. Os acordos e as instituições que abrangem a todos os espaços económicos da Civilização Africana;
  2. A integração económica na África Ocidental;
  3. A integração económica na África Central;
  4. A integração económica na África Austral;
  5. A integração económica na África Oriental.

Espaço Económico Africano e a integração da África Subsariana. Perfil económico dos países da civilização africana.

Desde o ponto de vista da integração económica da civilização africana podemos identificar os seguintes espaços económicos que agrupam a cinquenta e quatro países africanos:

  1. O Espaço Económico da África Ocidental;
  2. O Espaço Económico da África Central;
  3. O Espaço Económico da África Austral;
  4. O Espaço Económico da África Oriental;
  5. O Espaço Económico Magrebino.

Integração económica da Civilização Africana.

Integração económica em África (curso) Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau

  1. Acordo de Livre-Comércio Tripartido COMESA-EAC-SADC.

Vinte e seis países africanos da Comunidade da África Oriental (EAC) do Mercado Comum para a África Oriental e Meridional (COMESA) e da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) criaram este inovador acordo de integração africana que permite criar um mercado de 527 milhões de africanos.

Membros do Acordo Tripartido COMESA-EAC-SADC

  1. Mercado Comum da África Oriental e Austral (COMESA) é formado por:
    1. Catorze países de África Oriental: as Comores, o Jibuti, o Egito, a Eritreia, a Etiópia, o Quénia, Madagáscar, o Maláui, Maurícia, as Seicheles, o Sudão, o Sudão do Sul, a Tanzânia e a Uganda;
    2. Três países de África Central: o Burúndi, a República Democrática do Congo e o Ruanda;
    3. Três países de África Austral: a Essuatíni (Suazilândia), a Zâmbia e o Zimbábue;
    4. Além da Líbia.
  2. Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) é formada por:
    1. Seis países de África Oriental: o Maláui, Madagáscar, Maurícia, Moçambique, as Seicheles e a Tanzânia;
    2. Dos países de África Central: Angola e a República Democrática do Congo;
    3. Sete países de África Austral: o Botsuana, o Lesoto, a Namíbia, a África do Sul, o Essuatíni (Suazilândia), a Zâmbia e o Zimbábue.
  3. Organização para a Harmonização do Direito dos negócios em África (OHADA) é formada pelos seguintes países de África Francófona:
    1. Nove países de África Ocidental: o Benim, o Burquina Faso, a Costa do Marfim, a Guiné-Bissau, a Guiné, o Mali, o Níger, o Senegal e o Togo;
    2. Sete países de África Central: os Camarões, a República do Congo, o Chade, o Gabão, a Guiné Equatorial, a República Centro-Africana e a República Democrática do Congo;
    3. Um país da África Oriental: as Comores.
  4. Conferencia Internacional sobre a região dos Grandes Lagos é formada por
    1. Cinco países de África Oriental: o Quénia, o Sudão do Sul, o Sudão, a Tanzânia e a Uganda;
    2. Seis países de África Central: Angola, o Burúndi, a República Centro-Africana, a República do Congo, a República Democrática do Congo e o Ruanda;
    3. Um país da África Austral: a Zâmbia;
    4. Os países convidados: o Botsuana, o Egito, a Etiópia, o Maláui, Moçambique, a Namíbia e o Zimbábue.
  5. Iniciativa da Bacia do Nilo
    1. Sete países de África Oriental: o Egito, a Etiópia, o Quénia, o Sudão do Sul, o Sudão, a Tanzânia e a Uganda;
    2. Três países de África Central: o Burúndi, a República Democrática do Congo e o Ruanda;
    3. A Eritreia é observador.
  6. O Acordo comercial Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) - Moçambique, o Maláui, a Tanzânia e a Zâmbia (SADC - MMTZ);
  7. Sistema de Comércio Preferencial entre os Estados-membros da Organização da Cooperação Islâmica (OCI-TPS)
    1. Dos países africanos unicamente Marrocos assinou o Acordo-quadro + PRETAS (Protocolo sobre o regime tarifário preferencial) + Regras de origem;
    2. Dezassete países africanos (o Egito, a Guiné, a Mauritânia, o Níger, o Sudão, a Somália, a Tunísia, a Serra Leoa, a Gâmbia, a Guiné-Bissau, o Burquina Faso, os Camarões, as Comores, o Jibuti, o Benim, a Nigéria e a Costa do Marfim) assinaram o Acordo-quadro + PRETAS;
    3. O Chade, o Gabão, a Líbia, o Senegal e a Uganda unicamente assinaram o Acordo-quadro;
    4. A Argélia, o Mali, Moçambique e o Togo ainda não ratificaram o Acordo.
  8. Comunidade dos Estados do Sahel-Saara (CEN-SAD) é formada principalmente por países muçulmanos africanos:
    1. Treze países de África Ocidental: o Benim, o Burquina Faso, Cabo Verde, a Costa do Marfim, a Gâmbia, a Guiné, a Guiné-Bissau, a Libéria, o Mali, o Níger, a Nigéria, o Senegal, o Togo;
    2. Dos países de África Central: a República Centro-Africana, o Chade;
    3. Cinco países de África Oriental: o Egito, a Eritreia, a Somália, o Sudão, o Jibuti;
    4. Quatro países do Magrebe: a Líbia, o Marrocos, a Mauritânia, a Tunísia.
  9. Autoridade da Bacia do Níger é formada por
    1. Sete países de África Ocidental: o Benim, o Burquina Faso, a Costa do Marfim, a Guiné, o Mali, o Níger e a Nigéria;
    2. Dos países de África Central: os Camarões e o Chade.

Transporte e Logística em África.

Formação online (Curso, Mestrado, Doutoramento: Transporte e logística em África

Transporte e Logística em África (Curso, Mestrado, Doutoramento) corredores africanos de transporte, portos

  1. Infraestruturas em África;
  2. Corredores africanos de transporte;
  3. Transporte marítimo em África;
  4. Cadeias de valor africanas;
  5. TIC, comércio e integração em África.

Interações da Civilização Africana com as outras civilizações.

Formação online (Curso, Mestrado, Doutoramento: Relações internacionais africanas

Curso Mestrado: Relações internacionais africanas: UE, AGOA, Países árabes, América do Sul, BRICS

  1. A Civilização Islâmica;
  2. A Civilização Hindu;
  3. A Civilização Ocidental;
  4. A Civilização Sínica;
  5. A Civilização Budista;
  6. A Civilização Ortodoxa.

Exemplo:
África-BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul) Cooperação

Espaço Económico da Civilização Africana.

A África foi o berço da humanidade, mas, além disso, segundo a UNICEF «O futuro da humanidade é cada vez mais africano». A população atual africana é de 1.100 milhões de habitantes. Em 2100 serão 4.000 milhões. Em 35 anos, 25% das pessoas do mundo serão africanas.

A África do Sul foi o motor económico e o líder político do continente africano, mas é possível que a Nigéria converta-se no Estado central africano. A Nigéria é já a primeira economia africana, por adiante da África do Sul, e, além disso, estima-se que em 2100 sejam 1.000 milhões de habitantes.

É indubitável também que as grandes civilizações e impérios surgiram em terras africanas ao longo da história da humanidade: o Egito, Nemrod, Cartago, os impérios africanos (Gana, Etiópia, Mali, wólof, Shonghai...).

Quiçá se excluíssemos ao Magrebe, o Egito, o Sudão e o Jibuti (países com maiorias muçulmanas, e raça árabe, exceto nos dois últimos), é indubitável que o resto dos países africanos faz parte uma unidade sociocultural.

Esta Civilização Africana é claramente identificada no espaço e inclui aos países da África Subsariana. E, sobretudo pelo pertence à uma raça negra a primigênia da humanidade, da qual toda a humanidade desceu.

Uma civilização em que a grande maioria das fronteiras são fruto do pós-colonialismo, e que seguramente ao longo prazo deveriam desaparecer.

Uma região com grandes desafios comuns:

  1. Doenças (SIDA, Malária...);
  2. Pobreza;
  3. Falta de infraestruturas;
  4. Plena inserção na economia global;
  5. A sinização de África (isto é, a quase colonização económica da China em África);
  6. Os choques religiosos (no Sudão, na Nigéria).

E com grandes oportunidades comuns:

  1. A negociação como um bloco económico africano ante o resto do mundo (o acesso preferencial a mercados, a redução das subvenções na UE o nos Estados Unidos...);
  2. A integração africana;
  3. O comércio Sul-Sul, sobretudo com a Ásia e a América Latina;
  4. O controlo da cadeia de valor de exportação de matérias-primas. Deixar de exportar matéria-prima para exportar produtos de valor agregado;
  5. Exploração conjunta dos enormes recursos energéticos africanos;
  6. ...

Uma civilização na que a União Africana desempenhará uma função essencial.

Dois países seguramente podem-se converter nos estados centrais desta Civilização Africana: a Nigéria (80 milhões de muçulmanos e também 80 milhões de cristãos) e/ou a África do Sul (Cristianismo).

Desde um ponto de vista cultural, a Civilização Africana também poderia dividir-se em:

  1. O espaço cultural da África Subsariana
    1. O espaço cultural Cristiano africano;
    2. O espaço cultural Muçulmano africano.
  2. O espaço Magrebino (Norte de África) é formado pelo Egito, a Líbia, a Tunísia, a Argélia, o Marrocos, a Mauritânia e o Saara Ocidental, que também pertence à Civilização Islâmica. Devido à sua integração económica (COMESA e o acordo tripartido), o Egito e a Líbia atribuem-se ao Espaço Económico da África Oriental.

Localização da Civilização Africana.

Civilizações e integração

Portal Negócios em África da EENI.

Exemplo:
Comunidade Económica e Monetária da África Central (CEMAC): os Camarões, a República do Congo, o Gabão, a Guiné Equatorial, a República Centro-Africana e o Chade.

Exemplo:
Tráfico Negreiro Transatlântico

Exemplo:
H.E. Doutor Nkosazana Dlamini-Zuma

Exemplo:
Alhaji Aliko Dangote, homem mais rico de África, atividades filantrópicas (Nigeria, Negócios)

Exemplo:
Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO): o Benim, o Burquina Faso, Cabo Verde, a Costa do Marfim, a Gâmbia, o Gana, a Guiné, a Guiné-Bissau, a Libéria, o Mali, o Níger, a Nigéria, o Senegal, a Serra Leoa e o Togo

Exemplo:
Hajia Bola Shagaya, mulher de negócios nigeriana muçulmana da Nigéria

Exemplo:
Autoridade da Bacia do Níger (Benim, Burquin, Camarões, Guiné, Mali)

Civilizações e integração (Curso, Mestrado, Doutoramento)


(c) Escola de Negócios EENI Global Business School (1995-2022)
Não usamos cookies
Topo da página