Civilizações e integração económica

EENI- Escola Superior de Negócios Internacionais

Programa Programa do módulo: as civilizações, as religiões e a integração económica regional

  1. As civilizações em um mundo globalizado
  2. As oito grandes civilizações (espaços económicos - religiosos *) e a integração económica
  3. Espaço económico da civilização africana
    1. Espaço económico da África Ocidental
    2. Espaço económico da África Central
    3. Espaço económico da África Austral
    4. Espaço económico da África Oriental
    5. Espaço económico magrebino
    6. Interações da civilização africana com as outras civilizações
  4. Espaço económico da civilização hindu (Índia)
  5. Espaço económico da civilização sínica (China)
  6. Espaço económico da civilização budista
  7. Espaço económico da civilização islâmica
    1. Espaço árabe
    2. Espaço da Eurásia Central
    3. Espaço económico malaio
    4. Espaço magrebino
    5. Espaço africano
    6. Integração económica da civilização islâmica
    7. Interações da civilização islâmica com as outras civilizações
  8. Espaço económico da civilização cristã ocidental
    1. Espaço económico europeu (Alemanha)
    2. Espaço económico americano
      1. Espaço económico norte-americano (Estados Unidos)
      2. Espaço económico latino-americano (Brasil)
      3. Espaço económico caribenho
    3. Espaço económico da Oceânia
  9. Espaço económico da civilização ortodoxa (Rússia)
  10. A civilização japonesa
  11. Processos de integração intercivilizacionais.
  12. Inter-relações económicas entre as civilizações

(*) Entre parêntesis se indica o Estado central (no caso de estar claramente definido).

Civilizações e integração económica

Mapa civilizações e integração

Créditos

O módulo «Civilizações, religiões e integração económica regional» estuda-se:
  1. Mestrados em Negócios Internacionais, Relações Económicas
  2. Doutorados: Ética, religiões e Negócios, África, América, Ásia, Países muçulmanos

Materiais de estudo: Br ou Espanhol Civilizaciones Integracion ou Inglês Civilization and Integration Francês Civilisations et Integration.

Exemplo do módulo - Civilizações, religiões e integração económica
Civilizações, religiões e integração

Descrição Resumo do módulo - integração económica, civilizações e religiões:

NOTA IMPORTANTE:

Este estudo baseia-se em analisar as relações entre as civilizações atuais e os processos de integração económica, que como pode ser observado vão intimamente relacionado (regionalismo).

Como bem demonstrou o historiador britânico Arnold Toynbee, as religiões superiores (Islão, cristianismo, hinduísmo, etc.), através das Igrejas Universais atuaram como «crisálidas» favorecendo a evolução das civilizações.

Esta inovadora focagem da EENI baseado em estudar as relações económicas entre as civilizações ajudará ao aluno (a) a entender melhor o estado do mundo.

Isso não quer dizer que a análise esteja baseada em um ponto de vista proselitista para nenhuma religião, ou considerando a uma religião melhor que outra.

Hoje em dia é indubitável, a relação entre as religiões, as civilizações influídas por elas e os atuais processos de integração económica intra e intercivilizacionais.

NOTA: usaremos o termo EC (Era Comum) em vez de aC (Antes de Cristo).

Harmonia das Religiões

Os oito grandes espaços económicos - religiosos.

Assistimos à consolidação da uma nova ordem económica mundial, a regionalização pode estar deslocando em alguns aspetos à globalização. O local e o regional ganham terreno ao global, sobretudo nas esferas dos negócios e a cultura. Se olharmos o mundo podemos ver oito grandes espaços económicos - religiosos - culturais, oito grandes civilizações lideradas normalmente por um Estado central e que, além disso, se mantiveram imutáveis nos últimos séculos.

As grandes civilizações da história da humanidade nomeadas por Toynbee são: a egípcia, a andina, a Sínica (China), a Minoica, a Suméria, a Maia, a Índica, a Hitita, a Grega, a Ocidental, a Cristã ortodoxa (Rússia), a cristã ortodoxa (corpo principal), o Extremo Oriente, a Persa, a árabe, a Hindu, a Mexicana, a Iucateca e a Babilónica.

De todas estas civilizações, só quatro sobreviveram até hoje.

É necessário indicar, que baixo nosso ponto de vista, Toynbee cometeu um erro, ao não considerar a existência da uma civilização africana. Desde os trabalhos do senegalês Cheik Anta Diop, é inegável considerar a existência desta civilização africana. Por isso, em nosso estudo incluiremos também esta civilização africana, caracterizada por três religiões: o animismo, o Islão e o cristianismo. E nunca deve ser esquecido que a África é o berço da humanidade.

As quatro religiões com o maior número de seguidores (Cristianismo, Islão, hinduísmo e budismo) representam hoje em dia o 77% da humanidade. Estima-se que:

  1. Um 32% da humanidade, uns 2.200 milhões de pessoas, é cristã (sendo além disso, a religião mais globalizada, sendo a idade média de todos os cristãos de trinta anos)
  2. Um 23% é muçulmana (1.600 milhões, com presença na Ásia e na África principalmente. Idade média de vinte e três anos)
  3. Um 15% é hinduísta (Idade média de vinte e seis anos)
  4. Um 7% é budista (Idade média de trinta e quatro anos).

O Taoismo, o confucionismo, o zoroastrismo, o jainismo ou o siquismo nunca puderam ser convertidos em igrejas universais.

Em função do anterior poderíamos propor a hipótese dos seguintes espaços económicos - religiosas:

Civilização cristã (o ocidental).

Desde o ponto de vista cultural e da integração económica, podemos identificar três espaços económicos e culturais diferenciados.

  1. Europeu
  2. Americano
    1. Norte-americano
    2. Latino-Americano
    3. Caribenho
  3. Oceânia

Civilização islâmica.

O Islão é praticado por 1,6 bilhões de pessoas (23% da população mundial). Só o 15% dos muçulmanos são árabes. O Islão e o conceito de comunidade islâmica (a Ummah) é o fator de coesão. Observamos também tendências para a integração das suas economias, como por exemplo, o Conselho de Cooperação do Golfo, bem como o crescimento da economia e das finanças islâmicas.

Desde o ponto de vista da integração económica podemos identificar os seguintes espaços económicos:

  1. Espaço económico islâmico árabe: os Emirados, o Barém, a Arábia...
  2. Espaço económico islâmico da Eurásia Central: o Irão, o Paquistão, a Turquia...
  3. Espaço económico islâmico malaio: Brunei, a Indonésia e a Malásia
  4. Espaço económico islâmico magrebino: o Marrocos, a Argélia, a Tunísia...
  5. Espaço económico islâmico africano, formado pelos países de maioria muçulmana da África (embora englobar-se-á na civilização africana)

Culturalmente poderíamos considerar ao norte da África como parte da civilização islâmica (Sunita), mas desde o ponto de vista de integração económica também da civilização africana.

Civilização sínica.

A China é o Estado central, a área da influência abrange a Hong Kong, o Japão, o Vietname, a Coreia do Sul, Taiwan e Singapura. A China é além disso, um país BRICS. Na China encontramos principalmente ao Taoismo, ao confucionismo e ao budismo. Mas sem dúvida, o confucionismo é a religião que mais caracteriza a civilização sínica.

Civilização budista.

Conquanto não todo o mundo esteja de acordo na existência da uma civilização budista atual, nós consideraremos que se existe (ou está emergindo) uma civilização budista, dividida em três grandes grupos:

  1. Área Mahayana
  2. Área Teravada
  3. Área lamaísta

Alguns países coincidem com a área da influência sínica e outros com a área da influência Hindu.

Civilização hindu.

Com a Índia como o Estado central. É o único país que praticamente coincide com a sua civilização, embora é notória a influência nas Ilhas Maurícia, no Butão e também na África Oriental. A Índia é o berço de quatro religiões superiores: o siquismo, o jainismo, o hinduísmo e o budismo.

Civilização ortodoxa.

A civilização ortodoxa representa o 35% dos cristãos europeus (200 milhões). A Rússia (Estado central) representa por se só ao redor de 19% dos cristãos da Europa. A civilização ortodoxa é composta pela Bielorrússia, a Bulgária, o Chipre, a Geórgia, a Grécia, a Moldávia, o Montenegro, a Macedónia, a Rússia, a Roménia, a Sérvia e a Ucrânia. A Rússia é também um dos membros dos BRICS.

Civilização africana.

A grande maioria dos historiadores ocidentais, salvo Fernand Braudel, não considerara a existência da uma civilização africana. No entanto, é evidente sua existência, tal e como demonstrou o genial historiador senegalês, Cheik Anta Diop (a Civilização africana e o Antigo Egito). Conquanto o continente africano tende à integração em uma Área de Livre Comércio Continental, é indubitável a existência de cinco espaços económicos na...

  1. África Ocidental
  2. África Central
  3. África Austral
  4. África Oriental
  5. Magrebe

Confiamos na África

África foi o berço da humanidade, mas, além disso, segundo a UNICEF «O futuro da humanidade é cada vez mais africano». A população atual africana é de 1.100 milhões de pessoas. Em 2100 serão 4.000 milhões. Em 35 anos, 25 em cada 100 pessoas do mundo serão africanas.

Civilização japonesa.

Há especialistas que incluem à civilização japonesa dentro da Sínica. Mas a grande maioria afirma que o Japão por se mesmo constitui uma civilização (filial da civilização sínica). Esta civilização existe desde o século I EC.

Civilizações do mundo

Exemplos

Cinco pilares Islão

Cristianismo na Europa

Sistema de preferências generalizadas (SPG)

Área de Livre Comércio Africana

SICA Sistema da Integração Centro-Americana

Ética global e negócios.



Universidade U-EENI