Civilizações e integração económica

EENI- Escola Superior de Negócios Internacionais

Programa do módulo: as civilizações, as religiões e a integração económica regional

  1. As civilizações em um mundo globalizado
  2. As oito grandes civilizações (espaços económicos - religiosos *) e a integração económica
  3. Espaço Económico da Civilização Africana
    1. O Espaço Económico da África Ocidental
    2. O Espaço Económico da África Central
    3. O Espaço Económico da África Austral
    4. O Espaço Económico da África Oriental
    5. O Espaço Económico magrebino
    6. Interações da Civilização Africana com as outras civilizações
  4. O Espaço Económico da civilização hindu (Índia)
  5. O Espaço Económico da civilização sínica (China)
  6. O Espaço Económico da civilização budista
  7. O Espaço Económico da civilização islâmica
    1. O Espaço árabe
    2. Espaço da Eurásia Central
    3. O Espaço Económico malaio
    4. O espaço magrebino
    5. O espaço africano
    6. Integração económica da Civilização Islâmica
    7. Interações da Civilização Islâmica com as outras civilizações
  8. O Espaço Económico da civilização cristã ocidental
    1. Espaço Económico europeu (Alemanha)
    2. Espaço Económico americano
      1. Espaço Económico norte-americano (Estados Unidos)
      2. Espaço Económico latino-americano (Brasil)
      3. O Espaço Económico caribenho
    3. O Espaço Económico da Oceânia
  9. Espaço Económico da civilização ortodoxa (Rússia)
  10. A civilização japonesa
  11. Os processos de integração intercivilizacionais
  12. Inter-relações económicas entre as civilizações

(*) Entre parêntesis se indica o Estado central (no caso de estar claramente definido).

Civilizações e integração económica

Mapa civilizações e integração

O módulo «Civilizações, religiões e integração económica regional» estuda-se:
  1. Mestrados em Negócios Internacionais, Relações Económicas
  2. Doutorados: Ética, religiões e Negócios, África, América, Ásia, Países muçulmanos

Materiais de estudo: Br ou Espanhol Civilizaciones Integracion ou Inglês Civilization and Integration Francês Civilisations et Integration.

Exemplo do módulo - Civilizações, religiões e integração económica
Civilizações, religiões e integração

Resumo do módulo - integração económica, civilizações e religiões:

NOTA IMPORTANTE:

Este estudo baseia-se em analisar as relações entre as civilizações atuais e os processos de integração económica, que como pode ser observado vão intimamente relacionado (regionalismo).

Como bem demonstrou o historiador britânico Arnold Toynbee, as religiões superiores (Islão, cristianismo, hinduísmo, etc.), através das Igrejas Universais atuaram como «crisálidas» favorecendo a evolução das civilizações.

Esta inovadora focagem da EENI baseado em estudar as relações económicas entre as civilizações ajudará ao estudante a entender melhor o estado do mundo.

Isso não quer dizer que a análise esteja baseada em um ponto de vista proselitista para nenhuma religião, ou considerando a uma religião melhor que outra.

Hoje em dia é indubitável, a relação entre as religiões, as civilizações influídas por elas e os atuais processos de integração económica intra e intercivilizacionais.

NOTA: usaremos o termo EC (Era Comum) em vez de aC (Antes de Cristo).

Harmonia das Religiões

Os oito grandes espaços económicos - religiosos.

Assistimos à consolidação da uma nova ordem económica mundial, a regionalização pode estar deslocando em alguns aspetos à globalização. O local e o regional ganham terreno ao global, sobretudo nas esferas dos negócios e a cultura. Se olharmos o mundo podemos ver oito grandes espaços económicos - religiosos - culturais, oito grandes civilizações lideradas normalmente por um Estado central e que, além disso, se mantiveram imutáveis nos últimos séculos.

As grandes civilizações da história da humanidade nomeadas por Toynbee são: a egípcia, a andina, a Sínica (China), a Minoica, a Suméria, a Maia, a Índica, a Hitita, a Grega, a Ocidental, a Cristã ortodoxa (Rússia), a cristã ortodoxa (corpo principal), o Extremo Oriente, a Persa, a árabe, a Hindu, a Mexicana, a Iucateca e a Babilónica.

De todas estas civilizações, só quatro sobreviveram até hoje.

É necessário indicar, que baixo nosso ponto de vista, Toynbee cometeu um erro, ao não considerar a existência da uma Civilização Africana. Desde os trabalhos do senegalês Cheik Anta Diop, é inegável considerar a existência desta Civilização Africana. Por isso, em nosso estudo incluiremos também esta Civilização Africana, caracterizada por três religiões: o animismo, o Islão e o cristianismo. E nunca deve ser esquecido que a África é o berço da humanidade.

As quatro religiões com o maior número de seguidores (Cristianismo, Islão, hinduísmo e o budismo) representam hoje em dia o 77% da humanidade. Estima-se que:

  1. Um 32% da humanidade, uns 2.200 milhões de pessoas, é cristã (sendo além disso, a religião mais globalizada, sendo a idade média de todos os cristãos de trinta anos)
  2. Um 23% é muçulmana (1.600 milhões, com presença na Ásia e na África principalmente. Idade média de vinte e três anos)
  3. Um 15% é hinduísta (Idade média de vinte e seis anos)
  4. Um 7% é budista (Idade média de trinta e quatro anos)

O Taoismo, o confucionismo, o zoroastrismo, o jainismo ou o siquismo nunca puderam ser convertidos em igrejas universais.

Em função do anterior poderíamos propor a hipótese dos seguintes espaços económicos - religiosas:

Civilização Cristã (o ocidental).

Desde o ponto de vista cultural e da integração económica, podemos identificar três espaços económicos e culturais diferenciados.

  1. Europeu
  2. Americano
    1. Norte-americano
    2. Latino-Americano
    3. Caribenho
  3. Oceânia

Civilização Islâmica.

O Islão é praticado por 1,6 bilhões de pessoas (23% da população mundial). Só o 15% dos muçulmanos são árabes. O Islão e o conceito de comunidade islâmica (a Ummah) é o fator de coesão. Observamos também tendências para a integração das suas economias, como por exemplo, o Conselho de Cooperação do Golfo, bem como o crescimento da economia e das finanças islâmicas.

Desde o ponto de vista da integração económica podemos identificar os seguintes espaços económicos:

  1. O Espaço Económico Islâmico árabe: os Emirados, o Barém, a Arábia...
  2. O Espaço Económico Islâmico da Eurásia Central: o Irão, o Paquistão, a Turquia...
  3. O Espaço Económico Islâmico malaio: Brunei, a Indonésia e a Malásia
  4. O Espaço Económico Islâmico magrebino: o Marrocos, a Argélia, a Tunísia...
  5. O Espaço Económico Islâmico africano, formado pelos países de maioria muçulmana da África (embora englobar-se-á na Civilização Africana)

Culturalmente poderíamos considerar ao norte da África como parte da Civilização Islâmica (Sunita), mas desde o ponto de vista de integração económica também da Civilização Africana.

Civilização Sínica.

A China é o Estado central, a área da influência abrange a Hong Kong, o Japão, o Vietname, a Coreia do Sul, Taiwan e Singapura. A China é além disso, um país BRICS. Na China encontramos principalmente ao Taoismo, ao confucionismo e ao budismo. Mas sem dúvida, o confucionismo é a religião que mais caracteriza a Civilização Sínica.

Civilização Budista.

Conquanto não todo o mundo esteja de acordo na existência da uma Civilização Budista atual, nós consideraremos que se existe (ou está emergindo) uma Civilização Budista, dividida em três grandes grupos:

  1. A área Mahayana
  2. A área Teravada
  3. A área lamaísta

Alguns países coincidem com a área da influência sínica e outros com a área da influência Hindu.

Civilização Hindu.

Com a Índia como o Estado central. É o único país que praticamente coincide com a sua civilização, embora é notória a influência nas Ilhas Maurícia, no Butão e também na África Oriental. A Índia é o berço de quatro religiões superiores: o siquismo, o jainismo, o hinduísmo e o budismo.

Civilização Ortodoxa.

A Civilização Ortodoxa representa o 35% dos cristãos europeus (200 milhões). A Rússia (Estado central) representa por se só ao redor de 19% dos cristãos da Europa. A Civilização Ortodoxa é composta pela Bielorrússia, a Bulgária, o Chipre, a Geórgia, a Grécia, a Moldávia, o Montenegro, a Macedónia, a Rússia, a Roménia, a Sérvia e a Ucrânia. A Rússia é também um dos membros dos BRICS.

Civilização Africana.

A grande maioria dos historiadores ocidentais, salvo Fernand Braudel, não considerara a existência da uma Civilização Africana. No entanto, é evidente sua existência, tal e como demonstrou o genial historiador senegalês, Cheik Anta Diop (a Civilização Africana e o Antigo Egito). Conquanto o continente africano tende à integração em uma Área de Livre Comércio Continental, é indubitável a existência de cinco espaços económicos na...

  1. A África Ocidental
  2. A África Central
  3. A África Austral
  4. A África Oriental
  5. O Magrebe

Confiamos na África

África foi o berço da humanidade, mas, além disso, segundo a UNICEF «O futuro da humanidade é cada vez mais africano». A população atual africana é de 1.100 milhões de pessoas. Em 2100 serão 4.000 milhões. Em 35 anos, 25 em cada 100 pessoas do mundo serão africanas.

Civilização japonesa.

Há especialistas que incluem à civilização japonesa dentro da Sínica. Mas a grande maioria afirma que o Japão por se mesmo constitui uma civilização (filial da Civilização Sínica). Esta civilização existe desde o século I EC.

Civilizações do mundo

Exemplos

Cinco pilares Islão

Cristianismo na Europa

Sistema de preferências generalizadas (SPG)

Área de Livre Comércio Africana

SICA Sistema da Integração Centro-Americana

Ética global e negócios.



Universidade U-EENIPaz, Não Terrorismo