Escola de Negócios EENI Business School

Civilização Africana - Antigo Egito



Compartilhar por Twitter

Conteúdo programático da unidade curricular (UC): a Civilização Africana e o Antigo Egito (Cheikh Anta Diop).

A origem da civilização egípcia é africano.

  1. A filiação do Egito faraónico ao universo da África Negra;
  2. Os argumentos de ordem cultural: lingüísticos, escritura, arquitetônicos, artesanato, instrumentos musicais, arte, tecnologia;
  3. Os argumentos sociológicos: o matriarcado, o totemismo, a religião, a filosofia, a transferência de conhecimento (cerimônias de iniciação);
  4. Os argumentos antropológicos: a negritude dos egípcios, a antropologia física, a biologia molecular, a iconografia;
  5. Conclusões.

Exemplo:
o Antigo Egito e a Civilização Africana (Cheikh Anta Diop - Historiador africano)
Antigo Egito Civilização Africana
Fonte: Association KHEPERA.

Confiamos em áfrica. Ensino superior a preços acessíveis para os africanos. Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé

Educação continuada à distância online (comércio exterior, negócios internacionais)

A UC «O Antigo Egito e a Civilização Africana» é estudada nos seguintes programas de ensino superior online ministrados pela EENI Global Business School (Escola de Negócios):

Doutoramento (Doutorado DIB): Negócios Africanos, Negócios Islâmicos.

Doutorados (Doutoramentos) Profissionais em Negócios Internacionais - Formação online

Mestrados (MIB): Negócios em África.

Mestrados em Comércio Exterior e Negócios Internacionais - Formação online

Línguas: Ensino superior à distância (Cursos, Mestrados, Doutoramento) em Português, comércio exterior Estudar em Inglês online, curso mestrado doutoramento, comércio exterior, negócios internacionais Africa Egypt Estudar mestrado negócios internacionais e comércio exterior em Francês Afrique Egypte Mestrado negócios internacionais comércio exterior EAD em Espanhol Africa Egipto.

África: o berço da humanidade.

Mestrados e Doutoramento em Negócios Internacionais adaptados para os estudantes de Angola, de Cabo Verde, da Guiné-Bissau, de Moçambique e de São Tomé e Príncipe.

As pessoas da civilização egipcíaca «designavam-se a eles mesmos como Negros».

O Egito antigo e a Civilização Africana (Cheikh Anta Diop).

  1. A metodologia de investigação multidisciplinar (Théophile Obenga e Cheikh Anta Diop);
  2. Volume II «A origem dos antigos egípcios» da história General de África da UNESCO;
  3. Comparação linguística da língua egípcia (cóptico / faraónico) com as línguas negro-africanas atuais (wólof): a conjugação, as frases, a lexicografia, a fonética...;
  4. A arquitetura: comparação entre o antigo Egito, a Núbia, o Zimbábue, o Mali (Tumba de Askia), a Etiópia...;
  5. Os instrumentos (música): comparação com as harpas da África Central;
  6. Os atuais sistemas de escritura (hieróglifos) em África;
  7. As técnicas metalúrgicas (Comparação com a África Ocidental);
  8. Comparação do arte africano atual (esculturas da Nigéria, do Benim, do Zimbábue...). As pinturas rupestres;
  9. Sociologia: o totemismo, o matriarcado, a religião (Fon, Ewé e Ioruba), a Filosofia (Etnonimia), as cerimônias de iniciação...;
  10. Antropologia: as pessoas da civilização do Antigo Egito consideravam-se negras. Heródoto, a Bíblia, as pinturas, as esculturas, o antigo arte Ocidental..;
  11. A análise biológico: a melanina (pigmento da pele das múmias), a Arqueo-genética (ADN)...;
  12. A história: a origem da civilização egípcia é africano (no asiático). A análise de textos hieróglifos, a tradição histórica, Heródoto, a análise do Carbono 14, a arqueologia...;
  13. Leopoldo Sédar Senghor concordou com este ponto de vista.

Estados-membros da União Africana: a África do Sul, a Argélia, Angola, o Benim, o Botsuana, o Burquina Faso, Burúndi, os Camarões, Cabo Verde, a República Centro-Africana, o Chade, as Comores, o Congo, a Costa do Marfim, a República Democrática do Congo, Jibuti, Egito, a Eritreia, a Etiópia, a Guiné Equatorial, o Gabão, a Gâmbia, o Gana, a Guiné, a Guiné-Bissau, o Quénia, o Lesoto, a Libéria, a Líbia, Madagáscar, o Maláui, o Mali, a Mauritânia, Maurícia, Moçambique, a Namíbia, o Níger, a Nigéria, Ruanda, a República Árabe Saaraui Democrática, São Tomé e Príncipe, o Senegal, as Seicheles, a Serra Leoa, a Somália, o Sudão, o Sudão do Sul, o Essuatíni (Suazilândia), a Tanzânia, o Togo, a Tunísia, o Uganda, a Zâmbia e o Zimbábue.

Portal Negócios em África da EENI.


(c) Escola de Negócios EENI Global Business School (1995-2022)
Não usamos cookies
Topo da página