Comércio intra-africano (Mestrado)

Escola de Negócios EENI & Universidade HA

Conteúdo programático da unidade curricular - O Plano de ação para impulsionar o comércio intra-africano:

Este curso (unidade curricular) é composto por duas partes:

1- Introdução ao comércio intra-africano.

  1. As barreiras ao comércio intra-africano
  2. A diversificação das exportações
  3. A falta de infraestruturas
  4. As áreas de livre-comércio
  5. A liberalização do comércio exterior
  6. As barreiras comerciais em África
  7. O comércio transfronteiriço
  8. As aduanas africanas
  9. As redes de informação
  10. As tecnologias de informação e comunicação (TIC)
  11. Os elevados custos de fazer negócios em África
  12. Os mercados financeiros e o acesso ao crédito
  13. Divisas: multiplicidade e não convertibilidade. O Franco CFA e o Rand Sul-Africano
  14. A livre circulação de pessoas, trabalho e capital
  15. A falta de quadros regionais de serviços na liberalização do comércio africano

2- O Plano de ação para a promoção do comércio intra-africano.

  1. A política comercial africana
  2. A facilitação do comércio exterior
  3. As infraestruturas relacionadas ao comércio em África
  4. O financiamento do comércio exterior africano
  5. As informações de comércio exterior
  6. A integração africana como fator de mercado
  7. Para a Área de livre-comércio Continental Africana (CFTA)

A unidade curricular «O Comércio intra-africano» estuda-se nos seguintes programas de ensino superior à distância (EAD) da Escola de Negócios EENI & Universidade HA:
  1. Doutoramentos: Negócios em África, Comércio Exterior
  2. Curso: Integração regional em África
  3. Mestrados: África Subsariana, Negócios Internacionais, Comércio Exterior

Doutoramentos e Mestrados à distância (Comércio Exterior)

Língua de estudo: Ensino superior à distância em Português ou Estudar mestrado comércio exterior em Inglês Intra-African Trade Estudar mestrado negócios internacionais em Francês Commerce intra-Africain Mestrado negócios comércio EAD em Espanhol Comercio Africano.

Créditos da unidade curricular «O Comércio intra-africano»: 0,5 ECTS

تعزيز التجارة الأفريقية البينية.

Exemplo da unidade curricular online - O Comércio intra-africano:
Encorajar o comércio intra-africano





Tweter.png Tweet 
Envie para um amigo:

/ / Envie-nos um WhatsApp / Contactar Skype / Contato por telefone / Print /
Info EENI Voltar

Portal Africano da Escola de Negócios EENI & Universidade HA
Portal África, Escola de Negócios EENI & Universidade HA

Descrição da unidade curricular (EAD): Plano de ação para Impulsionar o Comércio Africano.

O objetivo principal do Plano de Ação para Impulsionar o Comércio Africano é conseguir uma quota de 25% no comércio entre os países africanos (atualmente é de 10% - 13%) através de integração regional.

O objetivo final é criar um mercado continental (Mercado Comum de África): a Área de livre-comércio Continental Africana (CFTA).

Embora os produtos africanos tenham um custo competitivo «em fábrica (EXW)», o processo de distribuição em África (o transporte, a manipulação, as alfândegas (aduanas), o armazenamento...) aumenta o preço final, e portanto gera uma perda de competitividade para as empresas africanas.

O Plano de ação para impulsionar o comércio intra-africano identifica uma série de barreiras técnicas ao comércio exterior entre os países africanos (a diversificação das exportações, a falta de infraestruturas, as barreiras comerciais, o comércio transfronteiriço, as aduanas...)

Um dos problemas do comércio intra-africano é o grande atraso nas aduanas em África (12 dias), demasiado elevado em comparação, por exemplo, com a Ásia Central (6 dias).

80% das exportações africanas exportam-se fora de África.

O desenvolvimento das janelas únicas nacionais é um fator-chave para melhorar o comércio entre os países africanos.

As comunidades económicas regionais (REC), como COMESA (Mercado Comum da África Oriental e Austral), a EAC (Comunidade da África Oriental), a SADC (Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral), a IGAD (Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento), a CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental), a CEN-SAD, a CEEAC (Comunidade Económica dos Estados da África Central) ou a UMA (União do Magrebe Árabe)... São os pilares fundamentais desta visão, segundo o Tratado de Abuja (Comunidade Económica Africana).

Eliminação de barreiras comerciais em África (curso)

As comunidades económicas regionais (CER) estão trabalhando nas áreas de livre-comércio, nas uniões alfandegárias, nos mercados comuns e nas uniões económicas e monetárias.

A Comissão Económica para a África (CEA) e a União Africana (UA) são os promotores deste ambicioso plano.

O acordo tripartido COMESA-EAC-SADC ou a Organização para a Harmonização em África do Direito dos Negócios (OHADA) são bons exemplos da integração regional em África que podem impulsionar o comércio entre os países africanos.

Hoje, a África só representa 3% do comércio mundial. A China, a Índia, a União Europeia e os Estados Unidos (programa AGOA) são os principais parceiros em África.

Exemplos - Comércio intra-africano

Curso Mestrado: Integração e Comércio intra-africano

Fundo de comércio de África (curso)

Centro Africano de Política Comercial

Programa Desenvolvimento Agricultura África (curso)



(c) Escola de Negócios EENI & Universidade HA (1995-2019). Não usamos cookies.