Comissão económica para a África (ECA)

EENI- Escola Superior de Negócios Internacionais

Conteúdo programático da unidade curricular - A Comissão Económica para a África das Nações Unidas (UNECA)

  1. Introdução a Comissão Económica das Nações Unidas para a África (CEPA / UNECA)
  2. Anuário estatístico da África
  3. Relatório: Pôr a África Primeira
  4. Política Macroeconómica
  5. Relatório económico da África
  6. Integração regional e Comércio intra-africano
       - Índice de integração regional africana
       - Industrialização e infraestrutura
       - Política de investimento
       - Segurança alimentária, agricultura e terra
       - Centro Africano da Política Comercial.
       - Facilitação do comércio desde uma perspetiva africana
       - Observatório da integração regional na África (ORIA)
       - Avaliação da integração regional na África
       - Plano de ação para encorajar o comércio intra-africano
       - Criando capacidades comerciais para a transformação da África
       - Mercados fronteiriços na África
       - Cooperação África-Países BRICS
       - Plano de ação sobre Segurança para o transporte por estrada da África 2011-2020
  7. Desenvolvimento Social.
       - Agenda de Desenvolvimento Pós-2015
  8. Gerenciamento de recursos naturais (*)
       - Comité de Segurança Alimentária e Desenvolvimento Sustentável
  9. Inovação e tecnologia
  10. Género
      - Centro Africano de género
      - Relatório sobre a mulher africana
  11. Governança (*)
      - Luta contra a corrupção e melhoria da governança na África
  12. Escritórios regionais da CEPA
      - África Central
      - África do Leste
      - África do norte
      - África do Sul
      - África Ocidental
  13. Centro Africano de Estatística
  14. Instituto Africano de Desenvolvimento Económico e Planejamento
  15. Unidade aquisições: Fazendo negócios com a CEPA

(*) Só disponíveis em inglês ou francês.

Os objetivos da unidade curricular "Comissão Económica das Nações Unidas para a África (CEPA) " são os seguintes:

  1. Entender os objetivos (integração regional, desenvolvimento da África...), a estrutura e as funções da Comissão Económica para a África (CEPA)
  2. Analisar o Comité da Política macroeconómica
  3. Conhecer o Relatório Económico sobre África
  4. Analisar o papel e as áreas de cooperação da Divisão de Comércio e Integração Regional
  5. Avaliar os programas de desenvolvimento social, recursos naturais, a inovação e a tecnologia, o género e o gerenciamento da Comissão Económica das Nações Unidas para a África (CEPA)
  6. Analisar o papel da Comissão em relação com as comunidades económicas regionais (CER)
  7. Compreender o funcionamento da Unidade de Serviços de Compra da Comissão
A unidade curricular "Comissão Económica para a África (ECA)" estuda-se:
  1. Mestrados profissionais à distancia: Negócios Internacionais, África Subsariana, Países Muçulmanos
  2. Doutoramento Negócios na África (EaD)
  3. Curso: instituições transformação da África

Idioma de estudo: Pt ou En Economic Commission Africa Fr Commission Afrique Es Comisión África.

  1. Créditos da unidade curricular "Comissão Económica das Nações Unidas para a África": 1 ECTS
  2. Duração estimada: 1 semana

África Negócios e economia.

Exemplo da unidade curricular - Comissão Económica das Nações Unidas para a África (ECA):
Comissão Económica para a África

Confiamos na África

Descrição da unidade curricular - A Comissão Económica das Nações Unidas para a África (ECA):

O progresso económico e social da mulher é a condição prévia fundamental para o desenvolvimento da África. Pôr a África primeiro!

A Comissão Económica das Nações Unidas para a África (UNECA) é a agência das Nações Unidas (NU) especializada na África, com o objetivo de dar suporte ao desenvolvimento económico e social dos seus cinquenta e quatro estados membros, promover a integração regional e a cooperação internacional.

objetivo da Comissão Económica das Nações Unidas para a África: promover o desenvolvimento económico e social da África.

Os estados membros da Comissão Económica das Nações Unidas para a África (CEA) são: África do Sul, Botsuana, Camarões, Egito, Eritreia, Etiópia, Gâmbia, Gana, Quénia, Lesoto, Libéria, Líbia, Maláui, Maurícia, Moçambique, Namíbia, Nigéria, Uganda, Tanzânia, as Seicheles, Serra Leoa, Somália, Sudão, Suazilândia, Zâmbia, Zimbábue, Argélia, Angola, Benim, Burquina Faso, Burundi, Cabo Verde, as Comores, Congo, Costa do Marfim, Jibuti, Gabão, Guiné, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Madagáscar, Mali, Marrocos, Mauritânia, Níger, República Centro-Africana, República Democrática do Congo, Ruanda, São Tomé e Príncipe, Senegal, Chade, Togo e Tunísia.

A Comissão Económica para a África reconhece a importância de centrar a atenção nas necessidades especiais da África, designadamente no contexto dos objetivos de desenvolvimento do Milénio.

Neste sentido, a Comissão Económica para a África (ECA) faz encapei em apoiar os esforços para erradicar a pobreza, guiar aos países africanos no caminho do crescimento e do desenvolvimento sustentável, investindo assim a marginalização da África no processo de globalização, e acelerar o empoderamento da mulher.

A Comissão Económica para a África (CEA) centra-se nas seguintes áreas temáticas:

  1. A integração regional, o comércio exterior e a infraestrutura
  2. A reunião dos objetivos de desenvolvimento do Milénio, com especial ênfase na redução da pobreza e o crescimento, o desenvolvimento sustentável e o género
  3. Promover o bom governo e a participação popular
  4. As tecnologias da informação e comunicação, a ciência e a tecnologia para o desenvolvimento
  5. As estatísticas e o desenvolvimento estatístico

A Comissão Económica para a África (CEA) pertence ao espaço económico da África Ocidental da civilização africana.

Integração regional e comércio intra-africano:
Integração e Comércio intra-africano

A Comissão Económica das Nações Unidas para a África faz especial ênfase nos estudos estratégicos que geram recomendações para avançar na cooperação regional e na agenda da integração. Por exemplo, a edição mais recente do Relatório "Avaliação da Integração regional" incide especialmente sobre a Área de Livre Comércio Continental Africana.

A emergência económica da África e a transição de um continente de baixos rendimentos a umas economias de rendimento médio requerem a transformação da estrutura económica das atividades predominantemente agrárias e extrativas a umas atividades de maior valor acrescentado nos setores industriais como o processamento e as manufaturas.

Uns enquadramentos de políticas macroeconómicas previsíveis e adequados que apoiem o crescimento inclusivo, o desenvolvimento do setor privado, o emprego e a agregação de valor, são essenciais para a transformação económica e o desenvolvimento sustentável da África.

A integração regional é uma estratégia chave para o desenvolvimento e o comércio intrarregional e espera-se que produza consideráveis ganhos económicos para a África.

A Comissão Económica para a África desenvolve e implementa programas como os dos corredores de transporte de trânsito, a rede de estradas Transafricanas (TAH), o Programa Africano de políticas de transporte (SSATP), a Decisão de Yamoussoukro para a liberalização do transporte aéreo, e o Programa para o Desenvolvimento da infraestrutura na África (PIDA).

Aproveitar o comércio exterior para encorajar a transformação estrutural, a diversificação das exportações e o comércio exterior interindustrial continuam sendo o núcleo das atividades da Divisão de Integração Regional e Comércio Exterior, através do Centro Africano da Política Comercial.

A Assembleia de Chefes de Estado e de Governo da União Africana adotaram em janeiro de 2012 uma decisão para estabelecer uma área de livre comércio Continental Pana Africana (CFTA) na data indicativa de 2017. Também aprovou um plano de ação para encorajar o comércio intra-africano (BIAT). Esta histórica decisão da Cúpula tem como objetivo aprofundar na integração do mercado da África e utilizar o comércio exterior para servir com maior eficácia como instrumento para o lucro de um desenvolvimento socioeconómico rápido e sustentável.

Mais de 30 milhões de africanos vivem com o vírus da sida. Desta cifra, mais de 5 milhões são crianças menores de quinze anos. Se a África pudesse ganhar um 1 por cento adicional do comércio mundial, que seria ganhar $ 70 mil milhões mais nas exportações, uma quantidade que supera a atual ajuda externa total da África, e ofusca os 15400 milhões de dólares estimados para uma resposta universal à pandemia da sida para o ano 2010 e 22,5 mil milhões estimados para 2015, o acréscimo do comércio exterior poderia proporcionar os recursos necessários para aumentar a resposta regional à pandemia da sida

A Unidade de Aquisições é o responsável por todas as aquisições de produtos, os serviços e obras para a Comissão Económica para a África.

NOTAS:

  1. O objetivo desta unidade curricular sobre a CEPA (objetivos, departamentos, publicações...) é ensinar ao aluno o importante papel que esta instituição realiza na África. Nesta unidade curricular, no entanto não será analisado em profundidade o tema "A integração regional na África" que será feito em um módulo posterior.
  2. Ao longo deste estudo apresentam-se a modo de resumo vários relatórios da CEPA relacionados com as regiões da África (a África central, a África oriental, a África do norte, a África do Sul e a África Ocidental), a análise completa da cada região será feito posteriormente no módulo específico da cada região.

Exemplos

Encorajar o comércio intra-africano

Centro Africano de Política Comercial

África área de livre comércio

Relatório mulheres africanas

Desenvolvimento Infraestruturas África PIDA

Web site Comissão Económica das Nações Unidas para a África.

  1. Banco Africano de Desenvolvimento
  2. União Africana (UA)
  3. Nova Parceria para o Desenvolvimento da África (NEPAD)
  4. Comunidade da África Oriental (EAC)
  5. África Negócios

EENI Escola de Negócios