Escola Negócios EENI Business School
Negócios no Marrocos, Casablanca

Conteúdo programático da unidade curricular - Comércio exterior e negócios no Marrocos - Casablanca Rabat.

  1. Introdução ao Reino do Marrocos (Magrebe)
  2. A economia marroquina
  3. Maiores setores da economia marroquina:
    1. A indústria marroquina
    2. A energia
    3. A agricultura e a pesca
    4. O transporte
    5. O artesanato
    6. As minas
    7. O comércio interior marroquino
  4. Caso de estudo: o setor turístico no Marrocos
  5. O comércio exterior (exportações, importações) marroquino
  6. Investir no Marrocos. Investimento estrangeiro direto (IED)
    1. A Agência Marroquina de Investimento e Desenvolvimento (MIDA)
  7. As oportunidades de negócio no Marrocos
    1. A indústria
    2. Energia solar e eólica
    3. O turismo
    4. A agricultura
    5. A pesca
    6. A logística
    7. Varejo
    8. As tecnologias de informação e comunicação
    9. Imobiliário
  8. Estudo de caso:
    1. O Grupo ONA
    2. O Grupo Akwa
    3. Laprophan
  9. Acesso ao mercado marroquino
Transporte e logística no Marrocos
  1. Porto de Casablanca
  2. Zona Franca de Tânger
  3. Corredor Transafricano Dakar-Lagos
  4. Acesso ao Corredor de Transporte Atlântico (Portugal-Espanha-França-Alemanha)

Os empresários marroquinos:

  1. Othman Benjelloun (o homem mais rico do Marrocos)
  2. Maomé Hassan Bensalah
  3. Anas Sefrioui
  4. Miloud Chaabi
  5. Aziz Akhannouch

Os objetivos da unidade curricular «Comércio exterior e negócios no Marrocos» são os seguintes:

  1. Analisar a economia e o comércio exterior (exportações, importações, investimentos IED) marroquino
  2. Avaliar as oportunidades de negócio no Marrocos
  3. Analisar as relações comerciais do Marrocos com o país do estudante
  4. Conhecer os acordos de livre-comércio (ALC) do Marrocos
  5. Analisar o perfil dos principais homens de negócios marroquinos
  6. Desenvolver um plano de negócios para o mercado marroquino
A unidade curricular «Negócios no Marrocos» estuda-se nos seguintes programas de ensino superior online ministrados pela EENI Global Business School (Escola de Negócios):
  1. Doutoramentos (Doutorados): Negócios Africanos, Negócios Islâmicos, Comércio Mundial
  2. Curso: Negócios no Magrebe
  3. Mestrados: Negócios nos Países Muçulmanos, Negócios Internacionais, Comércio Exterior

Estudante Mestrado e Doutoramento Online em negócios internacionais

Línguas de estudo: Ensino superior à distância (Cursos, Mestrados, Doutoramentos) em Português + Estudar mestrado comércio exterior online em Inglês Morocco Estudar mestrado negócios internacionais em Francês Maroc Mestrado negócios comércio EAD em Espanhol Marruecos.

  1. Créditos da unidade curricular «Comércio exterior e negócios no Marrocos»: 2 ECTS
  2. Duração estimada: 2 semanas

ماجستير في التجارة الخارجية و التسويق الدولي.

Exemplo da unidade curricular - Comércio exterior e negócios no Marrocos:

Othman Benjelloun, empresário marroquino muçulmano (Marrocos, Negócios)





Tweter.png Tweet 
Envie para um amigo:

/ / Envie-nos um WhatsApp / Contactar Skype / Contato por telefone / Print /
Info EENI Voltar

Descrição da unidade curricular: o comércio exterior e os negócios no Marrocos:

O Marrocos: um mercado fronteiriço africano. A emergência dos empresários marroquinos em África.

Acesso preferencial e acordos de livre-comércio do Marrocos

  1. O Marrocos pertence ao Espaço Económico Magrebino
  2. União do Magrebe Árabe (a Mauritânia, a Argélia, a Líbia, o Marrocos e a Tunísia)
  3. Comunidade dos Estados Sahelo-Saarianos (CEN-SAD)
  4. Acordo de Agadir
  5. UE-Marrocos
    1. Acordo de Associação União Europeia-Marrocos
    2. Parceira Euro-Mediterrânica (EUROMED)
    3. Política Europeia de Vizinhança
  6. Acordo de Livre-Comércio Estados Unidos-Marrocos
  7. Acordo de Livre-Comércio Turquia-Marrocos
  8. Sistema de Comércio Preferencial (TPS-OCI)
  9. Acordo de Livre-Comércio Associação Europeia de Livre-Comércio (AELC)-Marrocos
  10. Grande Área de Livre Comércio Árabe (GAFTA)
  11. Em 2017, o Marrocos solicitou à Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO)
  12. Associação dos Estados das Caraíbas (AEC) - país observador
  13. Comunidade Andina - país observador
  14. Sistema de Integração Centro-Americana (SICA) - país observador

Facilitação do comércio exterior

  1. Organização Mundial do Comércio (OMC)
    1. Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços (AGCS)
    2. Acordo de Facilitação do Comércio (AFC)
    3. Acordo de Aplicação de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias (MSF)
    4. Acordo de Inspeção Pré-embarque (PSI)
    5. Acordo de Barreiras Técnicas ao Comércio (OTC)
    6. Acordo de Salvaguardas (SG)
  2. Organização Mundial das Alfândegas (OMA)
    1. Convenção de Quioto Revisada (CQR)
  3. Oficina Internacional de Contentores e Transporte Intermodal (BIC)
  4. Organização da Aviação Civil Internacional (Convenção de Chicago, OACI)
  5. Organização Marítima Internacional (IMO)
    1. Convenção Internacional relativa à Seguridade dos contentores (CSC)
    2. Convenção relativa à Admissão Temporária (Convenção de Istambul) - Não membro
  6. Convenção relativa ao Transporte Marítimo de Mercadorias (Regras de Hamburgo, NU)
  7. Convenção Aduaneira relativa aos Contentores (CCC, NU)
  8. Convenção Internacional para a Simplificação e Harmonização dos Regimes Aduaneiros (UNECE)
  9. União Internacional dos Transportes Rodoviários (IRU)
    1. Acondicionamento da Carga nos Transportes Rodoviários
    2. Convenção TIR
  10. Convenção COTIF (Transporte Ferroviário)
  11. Regras contrato de transporte ferroviário de mercadorias (CIM, CIT)

Maomé Hassan Bensalah, empresário marroquino muçulmano (Marrocos, Negócios)

Organizações económicas e comerciais africanas

  1. União Africana (UA)
    1. Agência de Desenvolvimento da União Africana (AUDA-NEPAD)
  2. Comissão Económica das Nações Unidas para a África (CEA)
  3. Banco Africano de Desenvolvimento (BAfD)
  4. África-Países BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul)
  5. Fórum de Diálogo Índia-Brasil-África do Sul
  6. Cúpula América do Sul (Brasil)-África (ASA)
  7. Associação África-Turquia
  8. Nova Parceria Estratégica África-Ásia (NAASP)
  9. Associação África-Coreia do Sul
  10. Relações África-Japão (TICAD)
  11. Fórum de Cooperação China-África (FOCAC)
  12. Acordo para a cooperação África-Índia

Organizações islâmicas

  1. Cooperação África-Países árabes (ASA)
  2. Banco Árabe para o desenvolvimento económico de África (BADEA)
  3. Comissão Económica e Social para a Ásia Ocidental (CESPAO)
  4. Organização para a Cooperação Islâmica (OCI)
  5. Liga dos Estados Árabes (LEA)
  6. Banco Islâmico de Desenvolvimento (BIsD)
  7. Fundos Árabes para o Desenvolvimento

Organizações económicas globais

  1. Nações Unidas (NU)
    1. Conferência sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD)
    2. Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI)
    3. Centro de Comércio Internacional (INTRACEN)
  2. Banco Mundial (BM)
  3. Organização Mundial do Comércio (OMC)
  4. Fundo Monetário Internacional (FMI)

O Reino do Marrocos.

  1. A capital marroquina: Rabat
  2. A principal cidade económica marroquina: Casablanca
  3. As maiores cidades marroquinas: Rabat, Casablanca, Tânger, Fez, Marraquexe, Mequinez, Oujda, Agadir
  4. A língua oficial do Marrocos: o árabe e o amazigh.
    1. O francês é amplamente utilizado
    2. O espanhol é usado no norte do Marrocos
  5. Governo marroquino: Monarquia Unitária constitucional parlamentar.
  6. A sua Majestade o Rei: Rei Maomé VI
  7. A área marroquina: 446.550 quilómetros quadrados
  8. A população do Marrocos alcançou 33,1 milhões de habitantes.
  9. O aumento na esperança de vida ao nascer do Marrocos passou de quarenta e sete anos em 1962 a 70 anos. Os jovens entre 15 e 24 anos, representam 21,1% da população, 23% dos quais no meio rural e 19,7% no meio urbano
  10. As fronteiras do Marrocos: a Argélia, o Saara Ocidental, a Espanha
  11. A abolição da escravatura no Marrocos: 1922

Acordo de Associação União Europeia (Portugal)-Marrocos

A religião no Marrocos:

  1. Islão
  2. A Escola Fiqh (Jurisprudência islâmica): Maliquismo

Mais informação: Marrocos (Portal Africano da EENI Global Business School)

Portal África (Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe), Escola de Negócios EENI

O Marrocos pertence ao Espaço Económico magrebino da Civilização Islâmica e da Civilização Africana.

Anas Sefrioui, empresário marroquino muçulmano, expansão do grupo Addoha (Marrocos) em África

A economia marroquina

  1. A economia marroquina é caracterizada pela consolidação dos principais indicadores económicos apesar das dificuldades que pesaram sobre o seu resultado e os seus equilíbrios macroeconómicos.
  2. O crescimento do PIB marroquino: 4,7%
  3. A agricultura 15% do PIB
  4. Produção: 15% do PIB
  5. Deficit fiscal: 5,5% do PIB marroquino
  6. A inflação marroquina: 1,9%
  7. Elevado desemprego dos jovens (15-24 anos): 19%
  8. Pacto Nacional pela Emergência Industrial (2009-15)
  9. Os setores estratégicos marroquinos: a aeronáutica, Offshore, os agronegócios, os têxteis, os produtos eletrónicos e os automóveis
  10. As principais indústrias marroquinas: o turismo, a indústria, a pesca, água, real state, o comércio internacional...
  11. A indústria aeronáutica do Marrocos: cem empresas
  12. Boa estabilidade política
  13. Um setor bancário estável
  14. Fraqueza: fragilidade ambiental. Plano Verde do Marrocos
  15. A moeda do Marrocos: o Dirham
  16. Os principais parceiros comerciais marroquinos: a França, a Espanha, a Índia, o Brasil, a China, os Estados Unidos, a Arábia Saudita
  17. Existência de Zonas industriais e Zonas Francas (Tânger, Dakhla, Nador, Kenitra, Kebdan, Laayoune)

Em um contexto mundial em pleno desenvolvimento económico que vive baixo a lei da globalização da economia e da competitividade internacional, o investimento sob os seus dois aspectos, tanto nacional como estrangeiro, é capital para fazer frente às exigências de descolagem económico. Neste ambiente global, o Marrocos comprometeu-se, tal como ocorre com os outros países emergentes, com uma política que pretende fazer do investimento estrangeiro, um apoio estratégico do crescimento económico e social.

O Fundo Monetário Árabe foi fundado em Rabat. A sede central do Centro Islâmico para o Desenvolvimento do Comércio é no Marrocos.

Exemplos - Negócios no Marrocos

Aziz Akhannouch, empresário e político marroquino muçulmano (Grupo Akwa, Marrocos)

Miloud Chaabi, empresário marroquino muçulmano (Marrocos)

Curso Mestrado: Comércio Exterior e Negócios no Marrocos

Portos marroquinos: Casablanca, Mohammedia. Zona Franca de Tânger. Curso Transporte Marítimo

Curso: negócios em Casablanca

União do Magrebe Árabe (UMA): a Argélia, a Líbia, o Marrocos, a Mauritânia e a Tunísia

Zona Franca de Tânger

Comunidade dos Estados Sahelo-Saarianos (CENSAD) o Benim, o Burquina Faso, a República Centro-Africana, o Chade, as Comores, a Costa do Marfim, Jibuti, do Egito, a Eritreia, a Gâmbia o Gana, a Guiné-Bissau...

Diálogo Ásia-Médio Oriente (AMED) Argélia, Barém, Bangladeche, Butão, Brunei Darussalã, Camboja, China, Comores, Jibuti, Egito...

(c) EENI Global Business School (Escola de Negócios, 1995-2021)
Devido à pandemia COVID, a EENI implementou o teletrabalho. Favor entrar em contato somente por e-mail, WhatsApp ou pelo formulário de solicitação de informações.
Não usamos cookies.
Voltar ao topo da página