Escola de Negócios EENI Business School

Curso: Religiões da Índia e Negócios



Compartilhar por Twitter

Curso Online - Religiões da Índia e Negócios: Hinduísmo, Zoroastrismo, Jainismo, Siquismo e Negócios.

Formação online (Curso, Mestrado, Doutoramento: Hinduísmo, Zoroastrismo, Jainismo, Siquismo e Negócios Internacionais

O curso «Religiões da Índia e Negócios: Hinduísmo, Zoroastrismo, Jainismo, Siquismo e Negócios» (6 ECTS) ministrado pela EENI Global Business School (Escola de Negócios) é composto por seis módulos:

Curso: Religiões da Índia e Negócios, Hinduísmo

  1. Hinduísmo e Negócios;
  2. Jainismo e Negócios;
  3. Siquismo e Negócios;
  4. Zoroastrismo e Negócios;
  5. Outras religiões na Índia: Islão, cristianismo e budismo;
  6. Espaço Económico Hindu.

Informação Escola Negócios EENI Business School (Cursos Mestrados Doutoramentos) Inscrever-se / Solicitação de informação.

Estudante Doutoramento à distância em Negócios Internacionais

  1. Créditos: 6 ECTS;
  2. Duração: 6
    semanas É aconselhável que o estudante dedique doze horas semanais a critério do seu tempo e da sua terminação).
    ;
  3. Preço: 360 Euros.

Línguas de estudo (treinamento multilíngue gratuito): Ensino superior à distância (Cursos, Mestrados, Doutoramento) em Português, comércio exterior + Mestrado negócios internacionais comércio exterior EAD em Espanhol Religiones de India Estudar em Inglês online, curso mestrado doutoramento, comércio exterior, negócios internacionais Indian Religions Estudar mestrado negócios internacionais e comércio exterior em Francês Religions de l’Inde.

Exemplo:
Sri Ramakrishna Paramahansa. Harmonia entre as religiões. Hinduísmo

Os objetivos do curso são os seguintes:

  1. Conhecer os pilares do hinduísmo, do jainismo, do siquismo e do zoroastrismo;
  2. Compreender os princípios éticos dessas religiões;
  3. Estudar a sua influência nos negócios e no espaço económico hindu;
  4. Analisar os perfis de empresários hinduístas, jainistas, siques e zoroastristas;
  5. Definir as características do Espaço Económico Hindu;
  6. Analisar as relações económicas e políticas da civilização hindu com as outras civilizações (ocidental, Sínica, budista, islâmica e africana);
  7. Compreender os processos de integração económica e as principais organizações relacionadas ao Espaço Económico Hindu;
  8. Conhecer o perfil económico dos países de influência da civilização hindu.

Faça o download da estrutura curricular do Curso «Religiões da Índia e Negócios» (PDF).

  1. Espaço Económico Hindu (PDF).

Estudantes (mestrado, negócios internacionais, Comércio Exterior)

O Curso de Aperfeiçoamento tem os seus exercícios de modo evolutivo, assim ao terminar os exercícios e ser aprovados o estudante recebe o Certificado de conclusão do «Curso de Aperfeiçoamento: Religiões da Índia e Negócios (Hinduísmo, Zoroastrismo, Jainismo e Siquismo)» emitido pela EENI Global Business School (Escola de Negócios) da Espanha (União Europeia).

O curso é estudado nos seguintes programas de ensino superior online ministrados pela EENI:

Doutoramento (Doutorado DIB): Ética Global, Religiões e Negócios Internacionais, Negócios Asiáticos, Comércio Mundial.

Doutorados (Doutoramentos) Profissionais em Negócios Internacionais - Formação online

Mestrados (MIB): Negócios Internacionais, Religiões e Negócios.

Mestrados em Comércio Exterior e Negócios Internacionais - Formação online

Comércio Exterior e Negócios na Índia

Formação online (Curso, Mestrado, Doutoramento: Religiões e Negócios Internacionais

Exemplo:
Iniciativa da Baía de Bengala (BIMSETC): o Bangladeche, a Índia, o Sri Lanka, a Tailândia, o Nepal, o Butão, Mianmar

«A Verdade é só uma, os sábios a chamam com diferentes nomes.» (Rig Veda).

Por que estudar este Curso de Aperfeiçoamento?. Público-alvo.

Este curso é voltado principalmente para executivos e empresas que desejam fazer negócios na Índia (país BRICS), um mercado onde a influência do hinduísmo (1.210 milhões de hinduístas, a terceira religião do mundo) é fundamental.

Mas também é necessário conhecer a influência do zoroastrismo (o grupo Tata tem marcas ocidentais como Jaguar, Land Rover ou a coreana Daewo), o jainismo (a saga Sahu Sain controla o maior grupo índio de comunicação), o siquismo (multinacionais como o Grupo Rotchild ou Mastercard contrataram gerentes siques (sikhs) por causa da sua retidão moral) e o Islão (o Doutor Hamied é o fundador da CIPLA, uma das maiores empresas farmacêuticas genéricas do mundo) na Índia.

Os conglomerados índios (Aditiya Birla, Infosys, Reliance, Hinduja, TATA...) tornaram-se atores muito importantes na economia mundial, estando presentes nos cinco continentes e controlando empresas importantes na Europa, nos Estados Unidos, na Ásia e na África.

Para melhor compreender as idiossincrasias empresariais desses conglomerados, analisa-se o perfil de mais de vinte empresários e diretores índios, onde será analisada a influência de cada religião na sua estratégia de negócios e nas políticas de responsabilidade social corporativa.

Portanto, este curso também é recomendado para quem quer fazer negócios com empresas índias de qualquer lugar do mundo ou que queira trabalhar em uma empresa de origem hindu.

O curso também é destinado a todos aqueles que desejam fazer negócios nos mercados do Espaço Económico Hindu (Maurícia, Nepal, Butão, Bangladeche, Indonésia-Bali). em África, particularmente na África Oriental, a influência hindu está se tornando cada vez mais importante em competição clara com as empresas chinesas.

Por que estudar Religiões e Negócios Internacionais?

Módulos do Curso.

1- Hinduísmo (Vedanta), Ética e Negócios.

  1. Introdução ao hinduísmo «Sanatana Dharma» Vedanta: a terceira religião do mundo;
  2. Textos hinduístas. Análise do Bagavadguitá de acordo com Gandhi;
  3. Os quatro caminhos para Deus. Caminho do Ioga;
  4. Principais tradições hinduístas (Sampradaya): Shivaism, Shaktismo, Vaisnavismo e Smartismo;
  5. Os pilares do hinduísmo: tolerância inter-religiosa, corpo e Atman, Samsara, onipresença de Bhagavan (Deus, Parabrahma...);
  6. Princípios éticos hinduístas:
    1. Não-Violência (Ahimsa);
    2. Desprendimento dos resultados das ações;
    3. Veracidade;
    4. Não roubar;
    5. Moderação sexual.
  7. Renovação do hinduísmo: Sri Ramakrishna (Harmonia entre as religiões), Swami Vivekananda e Mahatma Gandhi;
  8. O hinduísmo no Nepal, Butão, Ilhas Maurícia, Bangladeche (15 milhões), Indonésia (Bali 3,3 milhões), Guiana e Fiji;
  9. A expansão do hinduísmo em África;
  10. Influência do hinduísmo nos negócios.

Empresários hinduístas.

  1. Kumar Birla: Presidente do grupo Aditya Birla (a primeira corporação multinacional na Índia);
  2. Senapathy Gopalakrishnan: copresidente de Infosys (uma das maiores empresas de tecnologia do mundo);
  3. Shri Mukesh Ambani: Diretor de Industrias Reliance (3% do PIB índio) e a nona pessoa mais rica do mundo;
  4. Srichand P Hinduja: diretor do grupo Hinduja (um dos maiores grupos diversificados do mundo); O grupo Hinduja é caracterizado pela aplicação dos princípios védicos nos negócios;
  5. Kiran Mazumdar: fundadora de BIOCOM, a maior empresa de biotecnologia da Índia, aplica uma política de preços acessíveis para todos nos seus medicamentos anticâncer.

Hinduísmo e Negócios. Princípios éticos do hinduísmo: Não-Violência, Tolerância, Veracidade (Doutoramento, Curso, Mestrado)

Não-Violência (Ahimsa) - «Qualquer organismo vivente merece respeito

2- Jainismo, Ética e Negócios.

  1. Introdução ao Jaina Dharma (jainismo);
  2. SHANTINATHA CHARITHRA (escrituras jainistas);
  3. A importância de Mahavira no jainismo;
  4. Escolas jainistas: Digambaras e Svetambaras;
  5. Fundamentos da doutrina e da filosofia jainista (Tattvas);
  6. Princípios da ética jainista
    1. Os doze votos jainistas;
    2. Os cinco pilares jainistas;
    3. Não-violência (Ahimsa);
    4. Respeito pela vida dos jainistas.
  7. Relação do jainismo com o hinduísmo;
  8. Jainismo e negócios.

Empresários jainistas.

  1. Sahu Jain: o Grupo Times, da família Jain Sahu Jain, é a maior empresa de comunicação da Índia;
  2. Ajit Gulabchand: presidente de uma das maiores empresas índias de construção civil (HCC Hindustão);
  3. Gautam Adani: presidente do Grupo Adani, um dos maiores conglomerados índios;
  4. Bhavarlal Hiralal Jain: fundador de Jain Sistemas de Irrigação e do Fundo de Beneficência Jainista;
  5. Outros empreendedores jainistas.

Jainismo e Negócios (Doutoramento, Curso, Mestrado) Ahimsa (Não-Violência)

Presença de gerentes siques (sikhs) em multinacionais devido a sua retidão moral e honestidade.

3- Siquismo, Ética e Negócios.

  1. Introdução ao Sikh Dharam (Siquismo): 26 milhões de siques (sikhs) em todo o mundo;
  2. A importância do Guru Nanak;
  3. Relacionamento do siquismo com o hinduísmo e o Islão;
  4. Princípios éticos dos siques (sikhs)
    1. Retidão moral e honestidade;
    2. Os cinco artigos de fé (cinco K) do siquismo.
  5. Caso de estudo:
    1. Manmohan Singh (ex-primeiro ministro índio);
    2. Narinder Singh (inventor da fibra ótica).

Empresários siques (sikhs).

  1. Ajaypal Singh Banga: diretor de MasterCard;
  2. Hardeep Singh: fundador de Tulip Telecom;
  3. Malvinder e Shivinder Singh: fundadores de Fortis Healthcare, um dos maiores provedores de saúde na Ásia-Pacífico;
  4. Jogishwar Singh: diretor-gerente do Grupo Rothschild (Suíça).

Siquismo: Negócios, Ética, Índia. Princípios éticos dos siques (sikhs)

«Bons pensamentos, palavras e ações».

4- Zoroastrismo, Ética e Negócios.

  1. Introdução ao zoroastrismo;
  2. O Profeta do zoroastrismo: Zaratustra;
  3. Princípios da ética zoroastriana;
  4. Não-violência;
  5. Respeito aos animais e ao meio ambiente;
  6. Os três H (bons pensamentos, palavras e ações) e a estratégia de negócios;
  7. Zoroastrismo e negócios.

Empresários zoroastrianos.

  1. Grupo TATA: uma das maiores empresas do mundo (3,2% do PIB índio, 450.000 trabalhadores em todo o mundo);
  2. Cyrus S. Poonawalla: fundador de uma das maiores empresas farmacêuticas do mundo, a sua visão é Saúde para todos com vacinas a preços acessíveis: a metade das crianças do mundo são vacinadas com uma das suas vacinas;
  3. Ardeshir Godrej: presidente do Grupo Godrej (um dos principais conglomerados índios) e um dos índios mais ricos (património de 9 bilhões de dólares);
  4. Nusli Wadia: presidente do Grupo Wadia, um dos mais antigos conglomerados da Índia (fundado em 1736).

Zoroastrismo, Pársis, Negócios, Ética, Índia (Doutoramento, Curso, Mestrado) Ética zoroastra: Bons pensamentos, palavras e ações

5- Outras religiões na Índia: Islão, cristianismo e budismo.

1- Islão na Índia (a segunda religião na Índia).

  1. Influência do Islão na civilização hindu;
  2. Empresários muçulmanos índios:
    1. Azim Premji: diretor de Wipro (uma empresa global de tecnologia da informação), de acordo com o Financial Times, é uma das vinte e cinco pessoas que «mudaram drasticamente o modo como vivem, trabalham ou pensam»;
    2. Yusuf Khwaja Hamied: fundador de Cipla, uma das maiores empresas farmacêuticas genéricas do mundo. O doutor Hamied está liderando a luta global contra a AIDS, com uma política de preços acessíveis para todos.

2- Cristianismo e Budismo na Índia.

Exemplo:
José Hamied, empresário muçulmano índio (Doutoramento Mestrado Curso)

6- Espaço Económico Hindu.

  1. As religiões da Índia e sua relação com a Civilização Hindu;
  2. O Espaço Económico Hindu
    1. A Índia como o estado central da civilização hindu;
    2. Países da área de influência da civilização hindu
      1. Maurícia (54% da população é hinduísta), um enclave estratégico para os negócios entre a Índia e a África.
        1. Acordo económico Índia-Maurícia.
      2. Nepal (81% da população é hinduísta)
        1. Acordo comercial Índia-Nepal.
      3. Butão (25% da população é hinduísta)
        1. Acordo comercial Índia-Butão.
      4. A expansão na África Oriental
        1. Empresários quenianos de origem hindu: Naushad N. Merali e Bhimji Depar Shah.
      5. A diáspora da civilização hindu.
  3. Empresários hindus;
  4. Integração económica do Espaço Económico Hindu (organizações económicas, acordos de livre-comércio...)
    1. Associação para a Cooperação Regional do Sul da Ásia (SAARC): Índia, Afeganistão, Bangladeche, Maldivas, Paquistão e Sri Lanka;
    2. Iniciativa da Baía de Bengala (BIMSTEC): Índia, Mianmar, Bangladeche, Sri Lanka e Tailândia;
    3. União Asiática de Compensação (ACU): Índia, Bangladeche, Irão, Mianmar, Maldivas, Paquistão e Sri Lanka;
    4. Cooperação económica Sub-regional da Ásia do Sul (SASEC): Índia, Bangladeche, Maldivas e Sri Lanka;
    5. Acordo Comercial Ásia-Pacífico (APTA): Índia, Bangladeche, China, Coreia, Laos, Sri Lanka e Mongólia;
    6. Acordo para a cooperação África-Índia;
    7. Cooperação África-Países BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul)
      1. A Índia é um dos países BRICS.
    8. Acordos de Livre-Comércio (ALC) da Índia: Chile, MERCOSUL, Comunidade Andina, União Europeia (UE), Sri Lanka, Tailândia, Cingapura, Coreia do Sul, Nova Zelândia, Indonésia, Conselho de Cooperação do Golfo, Canadá, Austrália, Associação Europeia de Livre-Comércio, ASEAN, União Aduaneira da África Austral (SACU).
  5. Interações político-económicas com outras civilizações.

Exemplo:
Comércio exterior Índia-África. Relações Económicas, Angola. Moçambique

Sobre as religiões da Índia: hinduísmo, zoroastrismo, jainismo e siquismo. Tolerância inter-religiosa.

A Índia é e foi, um dos países com mais tolerância religiosa. O hinduísmo é seguramente a religião mais tolerante com as demais, como pode ser observado na história da Índia dos últimos 2.500 anos. Conviveu com o zoroastrismo, os siques (sikhs), o Islão, os cristãos, os budistas, os jainistas, a Fé bahá'í...

O capítulo IV do Bagavadguitá inicia-se com um dos versos mais bonitos e transcendentais do Bagavadguitá, no que apreciamos a tolerância do hinduísmo com as outras religiões.

«Quando a bondade desfalece, Quando a maldade aumenta, Me converto em corpo.
Volto em todas as épocas para pronunciar o sagrado
Para destruir o pecado do pecador, para estabelecer o justo.» Bagavadguitá IV 7-8

O mais universal destes versos é a implícita aceitação dos outros profetas e das outras religiões. Muitos hinduístas creem na santidade de Jesus, Rama, Krishna, Buda, Guru Nanak, Zaratustra...

Este princípio de tolerância universal é uma das maiores contribuições que a ética hinduísta pode contribuir ao conceito da ética global além dos princípios da veracidade, desapego e Não-Violência.

Harmonia entre as religiões e negócios internacionais (Sri Ramakrishna)

Negócios Internacionais Ahimsa (Não-Violência) Jainismo

O Hinduísmo é uma religião fundamental na Índia, o hinduísmo e praticado por 80,5% da população de 1.210 milhões de habitantes.

Percentagem da população por religiões na Índia
- Hinduístas 80.46%
- Muçulmanos 13.43%
- Cristãos 2.34%
- Siques (sikhs) 1.87%
- Budistas 0.77%
- Outros 0.72%
- Jainistas 0.41%

Protestantes: a Índia tem 7,5 milhões de metodistas e 2,4 milhões de Batistas.

Cristianismo: 25 milhões de habitantes.

A Igreja Católica Siro-Malabar tem quase 4,6 milhões de crentes. É uma Igreja de próprio direito.

O Hinduísmo é a religião mais numerosa em vinte e sete Estados da Índia, exceto em Manipur, Arunachal Pradesh, Mizoram, Lakshadweep, Nagaland, Meghalaya, Jammu e Cachemira e Panjabe.

Após a Índia, o hinduísmo é importante no Nepal (23 milhões de habitantes), no Bangladeche (15 milhões), na ilha indonésia de Bali (3,3 milhões), nas Ilhas Maurícia, na Guiana, no Fiji, no Butão.

Comércio Exterior e Negócios na Índia

Um exemplo claríssimo da tolerância hinduísta é que o ex-presidente da Índia, Manmohan Singh, não é hinduísta senão Sikh.

A seguir mostramos os ministros do seu governo, no que podemos encontrar índios -logicamente a grande maioria-, siques (sikhs), muçulmanos, cristãos, budistas, ateus...
- Shri A. K. Antony. Ministro de Defesa. Nasceu em uma família católica síria, agora declara-se ateu e sempre assumiu as suas funções pela afirmação do cargo e não pelo juramento religioso. Declara-se também devoto de Mata Amritanandamayi
- Shri Sharad Pawar. Ministro de Agricultura. Hinduísta.
- Shri P. Chidambaram. Ministro de Fazenda. Hinduísta.
- Shri Ghulam Nabi Azad. Ministro de Saúde e Bem-estar Familiar. Muçulmano.
- Shri Sushil Kumar Shinde. Ministro do Interior. Secularismo (Nehru)
- Shri M. Veerappa Moily. Ministro de petróleo e gás natural.
- Doutor Farooq Abdullah. Ministro de Energias novas e Renováveis. Muçulmano.
- Shri Séc. Jaipal Reddy. Ministro de Ciência e Tecnologia. Ministro de Ciências da Terra. Hinduísta.
- Shri Sis Ram Onda. Ministro de Trabalho e Emprego
- Shri Kamal Nath. Ministro de Desenvolvimento Urbano. Ministro de Assuntos Parlamentares. Hinduísta.
- Shri Ajit Singh. Ministro de Aviação Civil. Siquismo
- Shri Ravi Vayalar. Ministro de Assuntos Indígenas no estrangeiro. Hinduísta.
- Shri Mallikarjun Kharge. Ministro de Ferrovias. Budista.
- Shri Óscar Fernandes. Ministro de Transportes pela rodovia e rodovias. Cristão Católico.
- Shri Kapil Sibal. Ministro de Comunicações e tecnologias de informação (TI). Hinduísta.
- Shri Anand Sharma. Ministro de comércio e indústria. Hinduísta.
- Kumari Selja. Ministra de Justiça Social. Hinduísta.
- Doutor Girija Vyas. Ministra de Morada e Alívio da Pobreza Urbana. Hinduísta.
- Shri K. G. Vasan. Ministro de transporte marítimo
- Shri Praful Patel. Ministro de Indústrias Pesadas e empresas Públicas. Hinduísta.
- Shri Shriprakash Jaiswal. Ministro do Carvão
- Shri Salman Khursheed. Ministro de Assuntos Exteriores. Muçulmano.
- Shri V. Kishore Chandra Deo. Ministro de Assuntos Tribais. Ministro de Panchayati Raj. Hinduísta.
- Shri Beni Prasad Verma. Ministro do aço. Hinduísta.
- Shri Jairam Ramesh. Ministro de Desenvolvimento Rural. Hinduísta.
- Shri K. Rahman Khan. Ministro de Assuntos das Minorias. Muçulmano.
- Shri Dinsha J. Patel. Ministro de Minas. Hinduísta.
- Shri M. M. Pallam Raju. Ministro de Desenvolvimento de recursos Humanos. Hinduísta.
- Shri Harish Rawat. Ministro de recursos Hídricos. Hinduísta.
- Smt. Chandresh Kumari Katoch. Ministra de Cultura. Hinduísta.
- Doutor Kavuru Sambasiva Rao. Ministro de Têxteis
(Nota: se não indica-se nenhuma religião, é que este Ministro não declarou publicamente sua religião).

A escola Fiqh (Jurisprudência islâmica): Hanafi.

Hinduismo Islão (Doutoramento, Mestrado, Curso)


(c) Escola de Negócios EENI Global Business School (1995-2022)
Não usamos cookies
Topo da página