Escola de Negócios EENI Business School

Budismo, ética e negócios (Curso Online)


Compartilhar por Twitter

Curso: Budismo, ética e negócios - Budismo, ética e negócios. Espaço Económico Budista (5 ECTS)

O curso «Budismo, ética e negócios» ministrado pela EENI Global Business School é composto por dois módulos:

  1. Budismo e negócios
  2. Espaço Económico Budista

Budismo Ética e Negócios (Doutoramento, Mestrado, Curso)

Informação Escola Negócios EENI Business School (Cursos Mestrados Doutoramentos) Se inscrever / Solicitação de informação

  1. Créditos: 5 ECTS
  2. Duração: 5
    semanas É aconselhável que o estudante dedique doze horas semanais a critério do seu tempo e da sua terminação).
  3. Preço: 120 Euros
  4. Inscrição em linha continuo
  5. Faça o download da estrutura curricular do curso «Budismo» (PDF)

Língua

  1. Curso bilíngue em Ensino superior à distância (Cursos, Mestrados, Doutoramentos) em Português, comércio exterior + Estudar em Inglês online, curso mestrado doutoramento, comércio exterior, negócios internacionais Buddhism
  2. Também disponível em O estudante tem acesso livre aos materiais nestas línguas; pode realizar os seus exercícios, comunicar-se com os professores, etc. em português. O estudante pode estudar qualquer unidade em qualquer uma dessas quatro línguas. O estudante deve ter um nível suficiente para estudar as matérias nesses idiomas
    Mestrado negócios internacionais comércio exterior EAD em Espanhol Budismo Estudar mestrado negócios internacionais e comércio exterior em Francês Bouddhisme

Quatro nobres verdades (Budismo)

«Esta é a soma do dever: não faça aos outros o que causaria dor se feito a você» (Udana).

Os objetivos do curso são os seguintes:

  1. Conhecer os conceitos básicos do budismo
  2. Compreender os princípios éticos dos budistas
  3. Conhecer as escolas budistas: Mahayana, Teravada, vajrayana é o budismo ZEN
  4. Estudar a influência do budismo nos negócios
  5. Analisar as figuras de empresários e de personalidades budistas
  6. Compreender a influência do budismo no Espaço Económico Budista
  7. Analisar as relações económicas da civilização budista com as outras civilizações
  8. Conhecer os países da influência da civilização budista

Público-alvo: todos aqueles que desejam especializar-se em todos os aspectos relacionados ao budismo e a sua relação com os negócios.


Titulação

O curso tem os seus exercícios de modo evolutivo, assim ao terminar os exercícios e a ser aprovados o estudante recebe o Certificado de conclusão do «Curso de Aperfeiçoamento: Budismo, ética e negócios» emitido pela EENI Global Business School (Escola de Negócios) da Espanha (União Europeia)

Estudantes (mestrado, negócios internacionais, Comércio Exterior)

O curso é estudado nos seguintes programas de ensino superior online ministrados pela EENI:

  1. Doutoramentos (Doutorados): Ética Global, Religiões e Negócios Internacionais, Negócios Asiáticos
  2. Mestrados: Negócios na Ásia, Negócios Internacionais, Religiões e Negócios
  3. Cursos: Negócios no Sudeste Asiático (ASEAN), China

Kazuo Inamori empresário budista

Módulos do Curso

Módulo 1- Budismo, ética e negócios

  1. Siddharta Gautama (Buda)
  2. Os textos budistas. Udama
  3. Os ensinos de Buda (Bhagavant)
  4. As quatro nobres verdades
  5. Os princípios da ética budista
  6. Uma versão da regra de ouro budista
  7. O Nobre Caminho Óctuplo
  8. As escolas budistas
    1. Mahayana
    2. Teravada
    3. Vajrayana
    4. O budismo ZEN
    5. O budismo da Terra Pura
  9. O budismo no mundo
  10. Os princípios da economia budista
  11. Líderes budistas:
    1. Dalai Lama
    2. Aung San Suu Kyi
    3. Chin Kung, DT Suzuki, Bhimrao Ramji, Ambedkar Babasaheb, Mapanna Kharge, Daisaku Ikeda, Jebtsundamba Khutuktu
  12. A influência do budismo no Ocidente
    1. Steve Jobs (Apple)
    2. Guilherme Clay Ford Jr. (Ford Motor)

Empresários budistas.

  1. Kith Meng (Camboja)
  2. Thaksin Shinawatra (Tailândia)
  3. Grupo Jyoti (Nepal)
  4. Lee Kun-hee (Coreia do Sul), Presidente de Samsung
  5. Doutor Kazuo Inamori (Japão). De fundador de Kyocera a monge budista

Ética budista (Doutoramento, Religiões)

Modulo 2- Espaço Económico da Civilização Budista.

  1. Introdução ao Espaço Económico Budista
  2. O perfil económico dos países budistas
    1. Budismo mahayana: China, Coreia do Sul, Japão, Vietname, Singapura, Nepal, Taiwan
    2. Budismo theravada: Birmânia, Camboja, Laos, Sri Lanka, Tailândia
    3. Budismo vajrayāna (Lamaísta): Butão, China (Sudoeste), Tibete, Mongólia
  3. Os processos de integração económica da Civilização Budista
  4. As interações da Civilização Budista com as outras civilizações

Corredor Económico Leste-Oeste (Mianmar-Tailândia-Laos-Vietname)

«Eu me refugio no Buda, no Dharma (a doutrina) e na Sangha (a comunidade monástica)».

Este curso destina-se principalmente às empresas e profissionais de comércio exterior que desejam fazer negócios nos países do espaço económico budista, mercados onde a influência do budismo é fundamental.

Em geral, o conhecimento do budismo e sua influência nos negócios é muito desconhecido, sendo necessário conhecer os pilares do budismo.

Conhecer as figuras de Sua Santidade o Dalai Lama ou a ganhadora do Prémio Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, ajudará a compreender melhor os ensinamentos budistas: a não-violência (Ahimsa), Nirvana, Arhant / Bodhisattva, as quatro nobres verdades, o nobre caminho óctuplo ou os chamados Cinco Preceitos que compõem os pilares da ética budista.

Como outras religiões, o budismo é composto de diferentes escolas: Mahayana (o Grande Caminho, 185 milhões de budistas Mahayana, 56% de todos os budistas), Theravada (38% de todos os budistas), Vajrayana ou Budismo Zen.

Conhecer as diferenças entre eles será necessário para compreender sua influência no espaço económico budista e na maneira de fazer negócios.

Deste ponto de vista, podemos considerar que o espaço económico budista é dividido em três espaços económicos:

  1. Espaço Económico Mahayana: China, Japão, Coreia do Sul, Vietname, Nepal, Singapura, Taiwan
  2. Espaço Económico Theravada: Sri Lanka, Birmânia, Laos, Tailândia e Camboja
  3. Sob espaço económico Vajrayana (lamaísta): Mongólia, Butão e Tibete (além do Sudoeste da China)

O japonês Shinichi Inoue escreveu um famoso livro "Colocando o Budismo para Trabalhar", baseado no conceito de que os princípios de uma economia budista poderiam ser o caminho emergente entre o capitalismo e o socialismo. As suas ideias sobre uma economia budista estão tomando muita força tanto no espaço económico budista quanto no Ocidente.

Jigme Singye Wangchuk (Rei do Butão) criou, como uma alternativa ao produto interno bruto, o Índice de Felicidade Interna Bruta para medir a economia butanesa com base nos princípios budistas.

Para compreender a influência do budismo nos negócios, analisaremos os casos de vários empreendedores budistas, como o japonês Kazuo Inamori (fundador da Kyocera, diretor da Japan Airlines e monge budista) ou o coreano Lee Kun-hee, presidente da Samsung (Budismo Won)

Os perfis de dois importantes empreendedores norte-americanos Steve Jobs (Apple) e William Clay Ford Jr (Ford Motor) também serão analisados para descobrir a influência do budismo em seus negócios.

Portanto, este curso também é recomendado para quem quer fazer negócios com empresas budistas de qualquer parte do mundo ou que queira trabalhar em uma empresa de origem budista.

O curso também é destinado a todos aqueles que desejam fazer negócios nos mercados do espaço económico budista.

Notas:

  1. A análise da China não é feita neste curso, mas no curso religiões da China (Taoismo, Confucionismo)
  2. Embora o budismo tenha surgido na Índia, agora é praticado por apenas 0,8% dos índios
  3. Em países como a Coreia ou Singapura, o budismo não é a religião da maioria coexistindo com outras religiões

Ensinos de Buda

Budismo

O budismo nasce no século VI EC, com o aparecimento de Buda, Sidarta Gautama, um dos grandes génios espirituais da humanidade, no noroeste da Índia. Foi a época da religião Védica, controlada pela casta dos Brâmanes. Esta época axial (Karl Jaspers), é também a época de Confúcio, de Lao Zi e do Deuteroisaías. E também a época do Mahavira, o fundador do Jainismo.

Buda ensina uma mensagem de libertação («Sejam lâmpadas para vocês mesmos») para todos, homens e mulheres, na que as castas não deveriam ter sentido. Buda dirigiu-se sobretudo às pessoas, a todos os homens e as mulheres, independentemente da sua raça, sexo ou casta.

«Aquele em quem não existem nem a hipocrisia nem ou orgulho, que superou a cobiça
Que é livre dos egoísmos e dos desejos, que expulsou de se o cólera
completamente sereno, aquele é um Bramam»

Averiguar as causas da dor e da doença, e como superar serão um dos «leit motivs» dos ensinos de Buda.

«... Do mesmo modo, não é da opinião de que o mundo seja eterno, que seja finito, que a alma e o corpo sejam diferentes o que Buda exista após a morte, do que depende a vida religiosa.

Já seja que tenham-se estas opiniões, ou as opostas, ainda existe a ressurreição, a velhice, a morte, a pena, o lamento, o sofrimento, a tristeza e o desespero...

Não falei destas opiniões porque não conduzem à ausência da Paixão, nem à tranquilidade nem ao nirvana. E daí é o que expliquei?

Expliquei o sofrimento, as suas causas e como o destruir, isso é o importante»

No século III EC o grande imperador Asoka, anunciou o budismo como a religião oficial do primeiro império índio. O budismo experimentará uma época dourada na Índia, até o século VII dC, até quase desaparecer da Índia no século XIII.

É no final do século XX começa a ressurgir na Índia, embora o seu número de adeptos é muito pequeno comparado com as outras religiões da Índia.

Ao igual que o cristianismo, o budismo começou com um homem, cresceu baixo o impulso de um grande império (o romano com o cristianismo), e praticamente desapareceu do seu lugar de nascimento.

Desde os primeiros tempos, o Budismo começa a expandir-se por toda a Ásia. Na China, adotará elementos do Confucionismo e do taoismo para dar lugar ao budismo chinês e ao Zen.

Um dos problemas do budismo, ao igual que o cristianismo, é saber como foi o budismo original. Hoje em dia admitem-se os cânones budistas:

  1. O Cânon palí (Tipitaka) da escola Teravada. O Udana ou «A Palavra de Buda» pertence à Sutta Pitaka. É uma das obras fundamentais para compreender o budismo. Basearemos este ensaio principalmente na análise dos Udana
  2. O Cânon chinês
  3. O Cânon nepalês da escola Mahayana

No Udana I-X (Bahiya) encontramos a definição do Nirvana, a iluminação instantânea. O Nirvana é um estado totalmente transcendental; quando se atinge, se põe fim à reencarnação e ao sofrimento.

Negócios Ahimsa (Não-Violência) Jainismo Harmonia entre as religiões e negócios internacionais (Sri Ramakrishna)

Livro: O Yoga da Sabedoria - Bagavadguitá (Gandhi) Nonell
Livro: O Yoga da Sabedoria (Bagavadguitá)



(c) Escola de Negócios EENI Global Business School (1995-2021)
Não usamos cookies
Topo da página