Cooperação África-BRICS

EENI - Escola Superior de Negócios Internacionais

Conteúdo programático da unidade curricular: a Cooperação África-BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul):

  1. Introdução a Cooperação África-Países BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul)
  2. Comércio exterior África-países BRICS
  3. Oportunidades e desafios
  4. Investimento direto estrangeiro (IDE)
  5. Principais tendências na Cooperação África-BRICS
  6. Ajuda ao desenvolvimento (*)
  7. Consequências para a África: crescimento, emprego e transformação estrutural (*)
  8. Acordo para a cooperação África-Índia
  9. Fórum China-África

(*) Só disponível em inglês.

Os objetivos da unidade curricular "Cooperação África-BRICS" são:

  1. Compreender os objetivos e funções da Cooperação África-BRICS
  2. Analisar o comércio exterior e o investimento entre a África e os países BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul)
  3. Avaliar as tendências da cooperação África-BRICS
A unidade curricular "Cooperação África-Países BRICS" estuda-se:
  1. Curso: Relações internacionais da África
  2. Mestrados profissionais: Negócios na África Subsariana, Países BRICS, Mercados Fronteiriços, Ásia, Negócios Internacionais (MIB)
  3. Doutoramentos (DIB): Doutoramento DIB Negócios na África, DIB Ásia

Idioma de estudo: Português ou En África-BRICS Fr Afrique BRICS Es Africa BRICS.

Créditos da unidade curricular "Cooperação África-BRICS": 0,3 ECTS

Exemplo da unidade curricular - Cooperação África-Países BRICS
Comércio África-BRICS

Confiamos na África

Descrição da unidade curricular: Cooperação África-Países BRICS.

  1. A cooperação entre a África e os BRICS adquiriu um novo impulso e gerou muito interesse nos últimos anos, porque estes países -Brasil, Rússia, Índia, China e a África do Sul- estão desempenhando um papel cada vez mais destacado no comércio mundial, o investimento, as finanças e a governança.
  2. Dentro desta tendência, a África aprofundou seu compromisso com estes países, não só no comércio exterior exterior, o investimento e o financiamento do desenvolvimento, senão também nas relações diplomáticas e culturais.
  3. O maior impacto dos BRICS na África emanará através de três canais principais: comércio exterior, investimento e ajuda ao desenvolvimento.
  4. O impacto dos BRICS observa-se com força, embora de forma variável, na África (Civilização africana).
  5. O comércio exterior exterior da África com os BRICS, por exemplo, cresceu mais rápido que o comércio exterior do continente com qualquer outra região do mundo, duplicando-se desde 2007 a 2012 (340 mil milhões de dólares), e estima-se que seja 500 mil milhões de dólares no ano 2015.
  6. O Brasil diferencia-se da China (e da Índia) na prestação de muito poucos empréstimos, fazendo ênfase no seu lugar em uma espécie de assistência técnica, e subsidia as operações de suas multinacionais estatais e privadas na África. A Rússia é o parceiro menor entre os BRICS.
  7. Embora a UE continue sendo o maior parceiro comercial da África (34 por cento das exportações totais), os países BRICS combinados (24 por cento) superaram aos Estados Unidos (17 por cento) como o segundo maior parceiro comercial da África.
  8. Angola, Cabo Verde, a Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe, entre outros, fazem parte da Cooperação África-Países BRICS.
  9. Patrice Motsepe foi Diretor do Conselho Empresarial BRICS


EENI Escola de Negócios