Budismo: economia budista

EENI- Universidade Hispano-Africana - Escola de Negócios


Início EENI

Conteúdo programático da unidade curricular: os princípios da economia budista - Shinichi Inoue

  1. Introdução à economia budista
  2. E.F. Shumacher: «O pequeno é bonito»
  3. Shinichi Inoue: «A economia budista: o caminho emergente entre o capitalismo e o socialismo»
  4. O Índice de Felicidade Interna Bruta
  5. O Manifesto por uma economia budista

Espaço Económico da civilização budista.

A unidade curricular «Princípios da economia budista» estuda-se nos seguintes programas de ensino superior (Doutoramentos, Mestrados, Licenciaturas) à distância da EENI (Escola de Negócios) e da Universidade Hispano-Africana de Negócios Internacionais:
  1. Doutoramentos profissionais à distância: Ética, Religiões e Negócios, Ásia
  2. Mestrados profissionais (EaD): Negócios Internacionais, Comércio Exterior, Ásia
  3. Licenciatura em Comércio Internacional

Língua de estudo: Ensino superior em Português + Educação superior em Espanhol Economia budista Educação superior em Inglês Buddhism Cursos à distância EaD em Francês Bouddhisme.

Descrição da unidade curricular (Ensino superior) -  Economia budista:

Os princípios da economia budista baseiam-se em parte na própria vida de Buda.

Siddhartha, o Buda, recusou os confortos materiais da vida real (renunciou ao seu reinado), também percebeu da inutilidade do ascetismo depois de experimentar a negação das necessidades físicas naturais.

O budismo conseguiu transformar as sociedades e as economias da China, da Coreia do Sul, do Vietname, Singapura ou do Japão através a introdução de conceitos éticos na procura dos benefícios.

Harmonia entre as religiões Curso: Negócios Ahimsa (Não-Violência)

O japonês Shinichi Inoue publicou em 1997 o livro «Pondo a trabalhar o budismo: uma nova aproximação ao gerenciamento e os negócios». Inoue o subtítulo como «A economia budista: o caminho emergente entre o capitalismo e o socialismo».

«O Buda traçou uma linha muito fina entre o materialismo e a negação do mundo, e este caminho intermédio, ou ponto de vista moderado, é fundamental para o entendimento da economia budista.».

Baseado na ideia do Buda de que a libertação espiritual é conseguida evitando os extremos, já seja pela indulgência nos prazeres mundanos ou por um severo ascetismo, e percorrendo «O Caminho Médio», Inoue recomenda a «Economia budista» como o caminho intermédio ideal entre os modelos da concorrência do capitalismo e do socialismo.

Para o autor, nenhum destes sistemas conseguiu conter a implacável destruição do médio ambiente e da comunidade humana.

Exemplo da unidade curricular - A economia budista
Economia budista

O seu modelo daeconomia budista baseia-se em tomar as melhores características de ambos sistemas económicos. Procura compatibilizar o livre mercado e a concorrência mas respeitando ao médio ambiente e à humanidade, para conseguir um mundo mais justo.

Inoue identifica três princípios fundamentais que sobejassem no seu modelo de economia budista: uma economia...

  1. Que beneficia a um mesmo mas também aos demais
  2. Baseada nos princípios da tolerância e da paz
  3. Que pode salvar à Terra

O economista alemão E.F. Shumacher (1911-1977) escreveu um importante livro «O pequeno é belo» em onde desenvolveu o conceito da «Economia Budista». O ensaio mostra como as pessoas devem pesquisar o bem não só para o desenvolvimento pessoal senão também da sua comunidade.

O Rei de Butão, Jigme Singye Wangchuk, criou em 1972 o Índice de Felicidade Interna Bruta para medir a economia butanesa baseada nos princípios budistas. É uma alternativa ao produto interno bruto.

«O verdadeiro desenvolvimento da humanidade encontra-se na complementação e no reforço mútuo do desenvolvimento material e espiritual»Jigme Singye Wangchuk

Felicidade Interna Bruta

Religiões e negócios.



(c) EENI- Escola de Negócios & Universidade Hispano-Africana de Negócios Internacionais (1995-2018)