Escola de Negócios EENI Business School

Curso: economia africana



Compartilhar por Twitter

Curso «Negócios e economia africana» (Online EAD, 5 ECTS, Ensino superior à distância (Cursos, Mestrados, Doutoramento) em Português, comércio exterior), Angola

Negócios e economia africana

O curso «Negócios e economia africana» (Angola, Moçambique...) ministrado pela EENI Global Business School, compõe-se de seis unidades curriculares:

África negócios e economia

Informação Escola Negócios EENI Business School (Cursos Mestrados Doutoramentos) Inscrever-se / Solicitação de informação.

Estudante Doutoramento à distância em Negócios Internacionais

  1. Créditos: 5 ECTS
  2. Preço: 120 Euros
  3. Inscrição em linha continuo: Você pode se inscrever quando quiser e de onde quiser
  4. Duração: 1
    mês É aconselhável que o estudante dedique doze horas semanais a critério do seu tempo e da sua terminação).
  5. Faça o download da estrutura curricular do curso (PDF)

Línguas.

  1. Curso bilíngue: Ensino superior à distância (Cursos, Mestrados, Doutoramento) em Português, comércio exterior + Estudar comércio exterior em Inglês online African Economy
  2. Também disponível em O estudante tem acesso livre aos materiais nestas línguas; pode realizar os seus exercícios, comunicar-se com os professores, etc. em português. O estudante pode estudar qualquer unidade em qualquer uma dessas quatro línguas. O estudante deve ter um nível suficiente para estudar as matérias nesses idiomas
    Estudar mestrado negócios internacionais e comércio exterior em Francês Économie africaine Mestrado negócios internacionais comércio exterior EAD em Espanhol Economía africana

O curso é estudado nos seguintes programas de ensino superior online ministrados pela EENI.

Doutoramento em Negócios Africanos, Comércio Mundial.

Doutorados (Doutoramentos) Profissionais em Negócios Internacionais

Mestrados: Negócios em África, Negócios Internacionais, Comércio Exterior.

Mestrados em Comércio Exterior e Negócios Internacionais

Mestrados adaptados para os estudantes de Angola estudar Mestrado Doutoramento em Negócios Internacionais, Comércio Exterior Angola, de Cabo Verde estudar Doutoramento Mestrado, Negócios Internacionais, Comércio Exterior Cabo Verde, da Guiné-Bissau, estudar Mestrado, Doutoramento, Negócios Internacionais, Comércio Exterior Guiné-Bissau, de Estudar Moçambique (Mestrados, Doutoramento, negócios internacionais, Comércio Exterior) Moçambique e de São Tomé e Príncipe, estudar mestrado doutoramento comércio exterior negócios internacionais São Tomé e Príncipe.

A Nigéria é a maior economia de África, seguida da África do Sul, do Egito, da Argélia, de Angola, do Marrocos, do Sudão, do Quénia, da Etiópia, da Líbia...

Os objetivos do curso são conhecer...

  1. O estado da economia africana: as tendências por regiões, os países africanos mais dinâmicos, a influência dos preços das matérias-primas em África, a política fiscal africana, os riscos aos que enfrenta-se a economia africana, os fluxos de investimento direto, a ajuda oficial ao desenvolvimento, os ingressos tributários em África, o impacto socioeconómico do Ébola..
  2. A importantíssima função da mulher africana (519 milhões de mulheres), um dos pilares da economia africana, tanto na economia como nos negócios
  3. O perfil de vinte e cinco mulheres africanas que estão liderando a transformação de África, como por exemplo, a presidenta da União Africana, a Excelentíssima Doutora Nkosazana Dlamini-Zuma o da empresária angolana Isabel do Santos (a mulher mais rica de África)
  4. O perfil de quarenta homens de negócios africanos que também estão liderando a transformação africana, como o nigeriano Alhaji Aliko Dangote «O homem mais rico de África», o sudanês Maomé Ibrahim ou o sul-africano Patrice Motsepe
  5. O estado da governança em África, os índices sobre a forma de fazer negócios, o clima de negócios, o estado da corrupção, os conflitos civis ou o importantíssimo Índice Ibrahim de Governança africana
  6. Compreender o conceito de «mercados pioneiros (ou fronteiriços ou pré-emergentes) africanos» em relação com as oportunidades do investimento e o ambiente empresarial em África

Público-alvo: este curso destina-se a todas aquelas pessoas que desejem compreender o estado da economia africana e do ambiente de negócios em África.

África continente emergente. Por que fazer negócios em África?. Transformação socioeconómica africana

Estudantes (mestrado, negócios internacionais, Comércio Exterior)

O curso tem os seus exercícios de modo evolutivo, assim ao terminar os exercícios e ser aprovados o estudante recebe o Certificado de conclusão do Curso de Aperfeiçoamento: «Economia africana e negócios em África» emitido pela EENI Global Business School.

O estudante que já realizou o curso poderá validá-lo e Inscrever-se nos programas de ensino superior da EENI.

Ambiente negócios em África


Conteúdo programático da unidade curricular (UC) 1- A Economia Africana:

  1. Introdução à economia africana
  2. As perspetivas macroeconómicas para a África
  3. Caso de estudo: a poupança, o investimento e o crescimento em África
  4. As tendências económicas por regiões
    1. Países de África Ocidental e Oriental: as regiões de maior crescimento
    2. África Central
    3. África Austral
    4. Norte de África
  5. A influência dos preços dos produtos básicos, a inflação, as políticas fiscais e as monetárias
  6. Caso de estudo: a política fiscal em África e os ciclos de negócios
  7. Os riscos que afetam à economia africana
  8. O investimento estrangeiro direto em África
    1. Principais receptores (países e setores)
    2. As fontes do IDE em África
    3. Investimentos intra-africanos
    4. Carteira de investimentos em África
  9. As remessas para a África
  10. A Assistência Oficial para o Desenvolvimento (AOD)
  11. Os ingressos tributários em África
  12. Caso de estudo:
    1. As conseqüências socioeconómicas do vírus do Ebola na Guiné, na Libéria e na Serra Leoa
    2. A evolução histórica da economia africana

Conteúdo programático da unidade curricular (UC) 2- A função da mulher africana - Mulheres de negócios africanas:

  1. H. E. Doutora Nkosazana Dlamini-Zuma
  2. Isabel dos Santos
  3. Folorunsho Alakija
  4. Cheryl Carolus
  5. Hajia Bola Shagaya
  6. Divine Ndhlukula
  7. Mimi Alemayehou
  8. Tara Fela-Durotoye
  9. Minoush Abdel-Meguid
  10. Adenike Ogunlesi
  11. Bridgette Radebe
  12. Wendy Appelbaum
  13. Iman
  14. Doutora Amina Odidi
  15. Rapelang Rabana
  16. Monica Katebe Musonda
  17. Amini Kajunju
  18. Folake Folarin-Coker
  19. Irene Charnley
  20. Sibongile Sambo
  21. Wangari Maathai
  22. Ellen Johnson-Sirleaf
  23. Leymah Gbowee

Conteúdo programático da unidade curricular (UC) 3- Homens de negócios africanos:

  1. Alhaji Aliko Dangote
  2. Doutor Mike Adenuga
  3. Tony Elumelu
  4. Orji Uzor Kalu
  5. Hussein Ali ao Amoudi
  6. Naushad Merali
  7. Hakeem Belo-Osagie
  8. Adewale Tinubu
  9. General Teófilo Yakubu Danjuma
  10. Oba Otudeko
  11. Patrice Motsepe
  12. Cyril Ramaphosa
  13. Maomé Ibrahim
  14. Osama Abdul Latif
  15. Onsi Sawiris
  16. Othman Benjelloun
  17. Hassan Abdalla
  18. Maomé Mansour
  19. Tarek Talaat Moustafa
  20. Ahmed Mekky
  21. Bhimji Depar Shah
  22. Maomé Bensalah
  23. Miloud Chaabi
  24. Anas Sefrioui
  25. Aziz Akhannouch
  26. Ali Wakrim
  27. Maomé Ali Harrath
  28. Sifiso Dabengwa
  29. Strive Masiyiwa
  30. Maomé Dewji
  31. Said Salim Bakhresa
  32. Doutor Reginald Mengi
  33. André Action Diakité Jackson
  34. Abdulsamad Rabiu
  35. Olufemi Otedola
  36. Jim Ovia
  37. Doutor Alhaji Indimi
  38. Tunde Folawiyo
  39. Ali Haddad
  40. Issad Rebrab

Exemplo:
Alhaji Aliko Dangote, homem mais rico de África, atividades filantrópicas (Nigeria, Negócios)

Os principais setores económicos africanos: a agricultura (25% do PIB) e os serviços.
O setor manufatureiro africano: apenas 10% do PIB de África.

Os mercados fronteiriços em África.

  1. A África: vinte mercados fronteiriços globais (50% do total)
  2. A Nigéria é o primeiro mercado fronteiriço mundial
  3. O Quénia, Angola, o Gana, a Etiópia, o Marrocos, a Tanzânia, a Argélia, a Costa do Marfim, a Zâmbia, o Uganda..
  4. A classe média emergente africana: 350 milhões de habitantes (34% da população africana). 1.100 milhões em 2040 (42% da população)
  5. A população africana jovem: 60% (o maior mercado mundial de trabalho)

O crescimento económico de África: 5.06%

  1. A África Oriental: 6,2%
  2. A África Ocidental: 7% (o crescimento mais rápido de África)
  3. A África central: 5,7%
  4. A África Austral: 4,4%
  5. O Norte de África: 5,5%

Os fatores:

  1. Custo da energia
  2. Preços dos alimentos e das matérias-primas
  3. Ingressos fiscais
  4. Pressões inflacionárias
  5. Fluxos financeiros externos
  6. Assistência oficial para o desenvolvimento
  7. A melhora do rendimento do comércio intra-africano
  8. A África exporta principalmente matérias-primas
  9. A integração regional
  10. As infraestruturas
  11. Consumo privado

A proporção de africanos que vivem com menos de 1,25 dólar ao dia se reduziu do 58 % em 1996 ao 50 %.

Espera-se que a criação de várias instituições para a integração económica em África (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, a Comunidade Económica dos Estados da África Central, a Comunidade da África Oriental, a Comunidade dos Estados do Sahel-Saara, a Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral, a União do Magrebe Árabe, o Mercado Comum da África Oriental e Austral e Autoridade Intergovernamental Desenvolvimento), nas últimas duas décadas potencie o Comércio exterior intra-africano de mercadorias e serviços.

Este comércio intrarregional aumentou do 2 % a princípios dos anos 1980 ao 9 % do total das exportações africanas, mas estas estatísticas subestimam a quantidade real, já que não incluem o comércio exterior não regulado, muito importante em África.

Inclusive com esta exceção, os fluxos comerciais dentro de África são baixos em comparação com os das outras regiões e em relação com o potencial comercial de África.

A análise dos destinos do comércio exterior revela que apesar do baixo nível agregado do comércio exterior dentro de África, este é muito importante para muitos países africanos.

Ao menos 25 % das exportações de vinte países são absorvidas pelo mercado regional. A importância dos blocos comerciais é ainda mais importante pelo fato que 75% do comércio intra-africano tem lugar dentro destes grupos regionais.

A Comissão da União Africana e a Comissão Económica das Nações Unidas para a África continuam a envolver-se em atividades e programas destinados a ajudar a visão estratégica da União Africana de construir uma África unida e integrada alicerçada pela integração política, económica, social e cultural.

Do ponto de vista da direção da União Africana, a integração total do continente permitiria a África superar os seus desafios de desenvolvimento, porque a sinergia económica seria obtida na medida em que a vantagem económica de toda a Comunidade económica africana é maior do que a soma dos benefícios económicos dos Estados-membros separados.

A necessidade de uma integração total é igualmente impulsionada por uma nova ordem económica mundial, com a formação de blocos regionais em todos os continentes, globalização sem fronteiras, avanços na tecnologia da informação e comunicação e negociações comerciais multilaterais no âmbito da OMC entre outros.

  1. Área de conhecimento: África
  2. Espaço Económico Africano

Os países africanos por PIB (nominal - milhares de milhões de dólares).

1- Nigéria (594.257)
2- África do Sul (341.216)
3- Egito (284,860)
4- Argélia (227.802)
5- Angola (131.407)
6- Marrocos (112.552)
7- Sudão (70.030)
8- Quénia (62.722)
9- Etiópia (49.857)
10- Líbia (49.341)
11- Tunísia (49.122)
12- Tanzânia (36.620)
13- Gana (35.475)
14- Costa do Marfim (33.963)
15- República Democrática do Congo (32.665)
16- Camarões (32.163)
17- Uganda (26.086)
18- Zâmbia (25.611)
19- Gabão (20.675)
20- Moçambique (16.590)
21- Botsuana (16.304)
22- Senegal (15.881)
23- Chade (15.841)
24- Guiné Equatorial (15.396)
25 Congo (14.114)
26- Zimbábue (13.739)
27- Burquina Faso (13.382)
28- Maurícia (12.720)

29- Mali (12.043)
30- Namíbia (11.982)
31- Sudão do Sul (11.893)
32- Madagáscar (11.188)
33- Benim (9.237)
34- Níger (8.290)
35- Ruanda (8.002)
36- Guiné (6,770)
37- Serra Leoa (5.411)
38- Togo (4.838)
39- Maláui (4.408)
40- Mauritânia (4.286)
41- Eritreia (3.870)
42- Essuatíni (Suazilândia) (3.842)
43- Burúndi (3.037)
44- Lesoto (2.458)
45- Libéria (2.073)
46- Cabo Verde (1,975)
47- República Centro africana (1.731)
48- Jibuti (1.582)
49- Seicheles (1.473)
50- Guiné-Bissau (1.040)
51- Gâmbia (0.918)
52- Comores (0.722)
53- São Tomé e Príncipe (0.362)
54- Somália
55- República Árabe Saaraui Democrática

A Área de Libre Comércio Continental (CFTA).

A África é preparada para fazer progressos importantes nas suas iniciativas para a integração. Contudo, os resultados estão misturados, Apesar dos constrangimentos e os desafios, foram registadas melhorias nas áreas de comércio, as políticas macroeconómicas, a infraestrutura, e as tecnologias de informação e comunicação, Desde a última Conferência, várias comunidades económicas regionais tomaram decisões importantes que pretendem acelerar e intensificar a integração regional nas sub-regiões.

Apenas 10% do comércio exterior africano é com outras nações africanas, enquanto 40% do comércio norte-americano é com os outros países norte-americanos e 63% do comércio exterior dos países da Europa Ocidental é com as outras nações da Europa Ocidental. O baixo índice do comércio intra-africano implica que perdem-se muitas oportunidades de usar o comércio dentro da África para melhorar as perspetivas de especialização entre os países de África e desenvolvimento acelerado e a integração.

A crise financeira e económica mundial apresenta problemas importantes para os países de África. Ela pôs em evidência as deficiências no funcionamento da economia mundial e alertou para a necessidade de uma reforma da arquitetura financeira internacional.

Desenvolvimento social e os objetivos de Desenvolvimento do Milénio
Não há dúvida que uma das conseqüências importantes da crise financeira para a África é a redução do financiamento tanto interno como externo. O esgotamento de importantes fontes do financiamento do desenvolvimento diminui a capacidade dos países africanos de incentivar o crescimento e realizar os objetivos do Milénio. Apesar que os dados sobre os principais indicadores não estejam disponíveis para a maioria dos países da região, pode-se esperar que o declínio no espaço fiscal, devido ao esgotamento de fontes tradicionais do financiamento de desenvolvimento, reduza a capacidade dos países de África de financiamento dos programas da saúde, a educação, Infraestrutura e nutrição.

Evidências recentes sugerem que há progresso para que a África alcance os objetivos do Milénio para o desenvolvimento até a data fixada, apesar do muito necessita ser feito. Foram reportados importantes progressos para os indicadores tais como o ensino primário universal e a igualdade do género. Foi reportado que o Gana, por exemplo, é no processo de alcançar os objetivos de reduzir a metade os índices de pobreza, bem como houve uma redução importante na prevalência do VIH/SIDA.

Exemplo:
Isabel dos Santos, a mulher mais rica da África (Mestrado, Negócios, Angola)

O transporte marítimo em África.

Portal Negócios em África da EENI.

Confiamos em áfrica. Ensino superior a preços acessíveis para os africanos. Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé




(c) EENI Global Business School (1995-2024)
Não usamos cookies
Topo da página

EENI: O Conhecimento leva à unidade, assim como a ignorância à diversidade