Escola de Negócios EENI Business School

Acordo Chile-América Central



Compartilhar por Twitter

Conteúdo programático da unidade curricular (UC) - Acordo de Livre-Comércio Chile-América Central.

  1. Introdução ao Acordo de Livre-Comércio Chile-América Central (Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua);
  2. Os benefícios do acordo;
  3. A certificação de origem;
  4. Os critérios para o tratamento preferencial;
  5. O comércio exterior Chile-América Central;
  6. Caso de estudo: comércio e investimento estrangeiro direto (IED) do Chile na Costa Rica e na Nicarágua.

Formação online (Curso, Mestrado, Doutoramento: Negócios na América do Sul

Formação online (Curso, Mestrado, Doutoramento): Acesso preferencial / Acordos comerciais

Estudante doutoramento / mestrado, negócios internacionais, comércio exterior

A UC «Acordo de Livre-Comércio (ALC) Chile-América Central» é estudada nos seguintes programas de ensino superior online ministrados pela EENI Global Business School (Escola de Negócios):

Mestrados (MIB): Negócios Internacionais, Comércio Exterior.

Mestrados em Comércio Exterior e Negócios Internacionais - Formação online

Doutoramento (Doutorado DIB): Negócios Americanos, Comércio Mundial.

Doutorados (Doutoramentos) Profissionais em Negócios Internacionais - Formação online

Línguas: Ensino superior à distância (Cursos, Mestrados, Doutoramento) em Português, comércio exterior + Mestrado negócios internacionais comércio exterior EAD em Espanhol Chile Estudar em Inglês online, curso mestrado doutoramento, comércio exterior, negócios internacionais Chile Estudar mestrado negócios internacionais e comércio exterior em Francês Chili

Curso Mestrado: Negócios na América Central

Acordo de Livre-Comércio Chile-América Central.

Em abril de 1998, os governos do Chile e dos países centro-americanos (Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua), anunciaram a sua intenção de negociar um Acordo de Livre-Comércio (ALC).

Este acordo não é um acordo multilateral, senão que são uma série de acordos entre o Chile e cada um destes países centro-americanos.

Em 2011, o Chile e a Nicarágua subscreveram o protocolo bilateral correspondente, terminando desta forma a série de protocolos bilaterais assinados entre o Chile e a América Central no quadro do Acordo de Livre-Comércio Chile-América Central.

O objetivo do Acordo de Livre-Comércio Chile-América Central é criar e implementar uma área de livre-comércio, de conformidade com o disposto no Artigo XXIV do GATT de 1994 e o Artigo V do Acordo Geral sobre o comércio de serviços.

O Acordo de Livre-Comércio Chile-América Central (Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua) tem como principais objetivos os seguintes:

  1. Melhorar a área de livre-comércio;
  2. Estimular a expansão e a diversificação do comércio exterior de mercadorias e serviços entre as partes;
  3. Promover as condições de concorrência leal dentro da área de livre-comércio;
  4. Eliminar as barreiras técnicas ao comércio internacional e facilitar a circulação de mercadorias e serviços na área de livre-comércio;
  5. Promover, proteger e aumentar substancialmente os investimentos;
  6. Criar os procedimentos eficazes para a aplicação e o cumprimento deste tratado, pela sua administração conjunta e para a solução de controvérsias.

Comércio Exterior (exportações, importações) Formação online (Curso, Mestrado, Doutoramento)

O comércio exterior Chile-América Central.

  1. O Comércio exterior entre a América Central e o Chile totalizou 558,3 milhões de dólares o qual significou uma diminuição de 37,7% com respeito ao ano anterior;
  2. Este decrescimento explica-se tanto pela diminuição na quantidade das exportações como das importações. ;
  3. No caso das exportações, a Guatemala é o país que tem a maior participação com 71.0% das vendas totais Centro-Americanas no mercado chileno. Seguem-lhe a Costa Rica, com 16.0%, El Salvador, 6.0%, a Nicarágua, 5.0% e Honduras, com 2.0%;
  4. Pelo lado das importações provenientes da República do Chile, a Costa Rica importa 39.0%, a Guatemala 28.0%, El Salvador 15%, Honduras 15% e a Nicarágua 4.0%;
  5. Os principais bens exportados pela América Central foram o açúcar de cana, este produto representou 72.0% das exportações totais da América Central para o Chile; o rum, com uma participação (4,9%); as preparações alimentarem (4,3%); os medicamentos constituídos por produtos misturados ou sem misturar, 4,3%; borracha natural, balata, guta-percha, guaiule, chicle e borrachas naturais análogas, 1,6%; Abonos minerais ou químicos potássios, 0,9%; Pneus novos de borracha, 0,9%; fraldas para bebé, 0,7%; e abonos minerais ou químicos, com dois ou três dos elementos fertilizantes, 0,6%;
  6. A Guatemala é o país da região Centro-Americana que mais tem aproveitado o tratado com o Chile, as exportações ascendem a 93,2 milhões de dólares, e as importações são de aproximadamente 69,9 milhões de dólares;
  7. A quantidade exportada pelo Chile para a Costa Rica atingiu a 174,6milhões de dólares, o que representa um aumento de 65% com respeito a igual período do ano anterior. Desde a vigência do Acordo de Livre-Comércio (2002) as exportações têm aumentado um 171%;
  8. Principais produtos exportados pela Costa Rica para o Chile foram os medicamentos; as preparações alimentarem; comprimidas e artigos higiénicos de papel; pneus, do tipo dos utilizados em automóveis de turismo; pilhas e baterias de pilhas, elétricas; entre outros;
  9. O comércio exterior do Chile com a Nicarágua foi de 21,2 milhões de dólares, correspondendo às exportações uma quantidade de 13,2 milhões de dólares e às importações 7,9 milhões de dólares, com uma balança comercial favorável ao Chile 5,2 milhões de dólares.

Acordos de Livre-Comércio (ALC) do Chile: MERCOSUL, ALADI, UNASUL, SELA, Comunidade Andina, Peru, Equador, Colômbia, México, Estados Unidos, Panamá, Canadá, China, Índia, Coreia do Sul, Japão, Austrália, União Europeia, Associação Europeia de Livre-Comércio (AELC), Turquia, APEC, Acordo Abrangente e Progressivo para a Parceria Transpacífica...


(c) Escola de Negócios EENI Global Business School (1995-2022)
Não usamos cookies
Topo da página