Mercado Comum Centro-Americano

EENI- Escola Superior de Negócios Internacionais

Conteúdo programático da subunidade curricular - O Mercado Comum Centro-Americano (MCCA): Guatemala, El Salvador, Honduras, Costa Rica, Nicarágua...

  1. O Tratado Geral de Integração económica Centro-Americana
  2. O Mercado Comum Centro-Americano (MCCA)
  3. O Sistema da Integração Centro-Americana (SICA)
  4. O perfil económico da região centro-americana: a Guatemala, El Salvador, Honduras, a Nicarágua, a Costa Rica
  5. O comércio exterior e fluxos do investimento entre os países da América Central
  6. Caso de estudo: comércio exterior da Costa Rica e da Nicarágua com a América Central
A subunidade curricular «O Mercado Comum Centro-Americano (MCCA)» estuda-se:
  1. Mestrados profissionais: Negócios Internacionais, América
  2. Doutoramento Negócios na América (EaD)
  3. Curso: América Central

Língua de estudo: Português ou Espanhol América Central Inglês Central America Common Market Francês SICA.

Exemplo da subunidade curricular - O Mercado Comum Centro-Americano
Mercado Comum Centro-Americano

Descrição da subunidade curricular: o Mercado Comum Centro-Americano.

O Tratado Geral de Integração económica Centro-Americana entrou em vigor em junho de 1961 para a Guatemala, El Salvador e a Nicarágua; em abril de 1962 para Honduras e em setembro de 1963 para a Costa Rica.

Atualmente, o Mercado Comum Centro-Americano (MCCA) é integrado ao Sistema de Integração Centro-Americana (SICA).

O Sistema da Integração Centro-Americana (SICA) é o quadro institucional da integração regional da América Central, criado pelos estados de Belize, a Costa Rica, El Salvador, a Guatemala, Honduras, a Nicarágua e Panamá. A sede da Secretaria-geral do SICA é na República do Salvador.

A República Dominicana é um estado associado ao Sistema da Integração Centro-Americana.

A população da região centro-americana estima-se em 46,6 milhões de pessoas.

A América Central é hoje, uma região na que existe livre comércio para 99% dos produtos e um regulamento comum e moderno em todos os temas importantes relacionados com o comércio internacional.

Segundo as disposições do Tratado Geral de Integração Económica centro-americana, a totalidade dos produtos originários dos países da região gozam de livre comércio no intercâmbio regional, a exceção dos produtos listados no Anexo A de dito acordo.

Conta com um regulamento de acordo com os standards internacionais e outros acordos comerciais vigentes, em temas como normas de origem; práticas desleais de comércio internacional; medidas de salvaguarda; medidas e procedimentos sanitários e fitossanitários; medidas de normalização, metrologia e procedimentos de autorização. Assim mesmo, dispõe de um mecanismo de solução das controvérsias comerciais.

A população da América Central representa 6,5% da população total da América Latina (39,2 milhões de pessoas), e o seu território 2,1% do total do território latino-americano. O seu produto interno bruto: 66.265 milhões de dólares.

O comércio exterior total com a América Central tem sido não só dinâmico senão igualmente de crescimento constante durante a última década, com exceção de 2009. Durante os últimos dez anos, em média, a Costa Rica tem ocupado o segundo lugar quanto às exportações dentro da região, o quinto lugar quanto às importações e o terceiro com respeito ao comércio total.

O investimento de origem centro-americano registado na Costa Rica atingiu um valor de 44,2 milhões de dólares, sendo El Salvador a principal investidor no país, cuja participação dentro do total foi de 80%.

Sistema Integração Centro-Americana (SICA)

O Mercado Comum Centro-Americano (MCCA) pertence ao Espaço Económico latino-americano da Civilização Cristã Ocidental.



Universidade U-EENIPaz, Não Terrorismo