A Globalização e o Regionalismo. Países emergentes BRICS

EENI

Conteúdo programático - Globalização:

- A Globalização. Aspectos históricos.
- Evolução da economia internacional.
- A globalização da economia.
- O estado do mundo.
- Análise de comércio internacional de bens e serviços.
- Os países emergentes.
- Os países BRICS (Brasil, Rússia, Índia, Chinesa e África do Sul).
- Globalização e regionalismo.
- Os Acordos de integração.
- A União Européia e a globalização.
- A globalização e a pobreza no mundo.
- Desenvolvimento humano e Globalização e globalização.
- A crise econômica mundial.
- Perspectivas regionais.
- Crise alimentar.
- Por que precisamos uma ética global?

Materiais de estudo em: Pt Es Globalización En Globalization Fr Mondialisation

Resumo da unidade Globalização Regionalismo:

Nos últimos anos, a economia mundial vem experimentando profundas mudanças que vêm transformando um comércio puramente nacional em um comércio globalizado, em que praticamente o mercado é o mundo inteiro.

No momento em que você está dedicado a esse curso, é bem provável que utilize um computador fabricado no Brasil, mas que na verdade é um produto montado com uma grande percentagem de peças e chips feitos em Taiwan, na Tailândia ou no Japão. Você pode estar vestindo calças feitas na China ou Índia, usando óculos italianos ou relógios suíços.

Pode ser que esta noite seu jantar seja regado com um bom vinho chileno ou francês e que tome um cálice de licor feito na África do Sul.

É ainda provável que dirija um carro alemão, francês, japonês ou coreano e que fale num telefone feito na Suécia.

Esta é a realidade dos dias de hoje, da globalização.

Exemplo da unidade Globalização:
Organização Mundial do comércio

A unidade "Globalização" faz parte do:

Áreas de globalização:
- Economia
- Financeiro
- Política
- Cultural
- Tecnologia

Países emergentes: México, Brasil, Argentina, Venezuela, Colômbia, Chile, Peru, China, Coréia do Sul, Índia, Taiwan, Indonésia, Tailândia, Hong Kong, Malásia, Paquistão, Filipinas, Cingapura, Rússia, Turquia, Polônia, República Tcheca, Hungria, África do Sul, Egito, Israel, Arábia Saudita.

Os países BRICM (o Brasil, a Rússia, a Índia, a China e o México) representam hoje em dia o 43.74% da população mundial (2.889.563.887 de pessoas).

Estima-se que em 2050, os mercados BRIC (o Brasil, a Rússia, a Índia e a China) gerarão 44% do Produto Interno Bruto mundial. estima-se que a economia a Índia ultrapasse à economia de estados Unidos no 2043.

Dos 6 mil milhões de pessoas do mundo, 1200 milhões vivem na extrema pobreza, ou com um rendimento de cerca de 1 dólar por dia. Pouco menos de 3 mil milhões de pessoas vivem com 2 dólares por dia ou menos.
- Os países industrializados, com 19% da população mundial, são responsáveis por 78% do comércio mundial de bens e serviços, 58% do investimento estrangeiro direto e 91% do total de utilizadores da Internet.
- Mais de 1500 milhões de dólares são cambiados diariamente nos mercados mundiais de divisas.
- O investimento estrangeiro ultrapassou os 400 mil milhões de dólares em 1997, um nível sete vezes superior, em termos reais, ao da década de 1970.
- As 200 pessoas mais ricas do mundo aumentaram para mais do dobro os seus ativos líquidos nos quatro anos que antecederam 1998, tendo atingido mais de 1 bilhão de dólares. Os bens dos três maiores bilionários são superiores ao conjunto do PNB de todos os países menos desenvolvidos, com os seus 600 milhões de pessoas.

"O grande desafio que enfrentamos hoje é certificarmo-nos de que, em vez de deixar para trás milhares de milhões de pessoas que vivem na miséria, a globalização se torne uma força positiva para todos os povos do mundo. Uma globalização que favoreça a inclusão deve assentar na dinâmica do mercado, mas esta só por si não é suficiente. É preciso irmos mais longe e construirmos juntos um futuro melhor para a humanidade inteira, em toda a sua diversidade".
Kofi Annan, Relatório do Milênio (Organização das Nações Unidas)

A crise econômica mundial. Perspectivas regionais.

O mundo está lidando com seu maior desafio econômico e financeiro desde a Segunda Guerra Mundial. O tumulto financeiro que teve início em 2007 estourou em uma intensa crise econômica em setembro de 2008, gerou uma crescente onda de desemprego e agora ameaça tornar-se um grande problema humanitário.

(c) EENI- Escola de Negócios (1995-2014)
EENI Escola de Negócios