Por quê fazer negócios na África? (Licenciatura)

EENI- Unviersidade e Escola de Negócios


Início EENI

O estado da economia africana. Fazendo negócios na África (Licenciatura em Negócios Interafricanos à distância)


Licenciatura em Negócios Interafricanos (Solicitação de informação)

Licenciatura negócios África, EENI (Escola de Negócios) e Universidade HA

Por quê fazer negócios na África?

«O futuro da humanidade é cada vez mais africano» (UNICEF)

  1. Em trinta e cinco anos, 25 % da população do mundo será africana
  2. A África irá liderar o crescimento da população mundial durante os próximos cinquenta anos
  3. 50 % da população da África viverá em uma cidade (2040)
  4. A população da Nigéria em 2100: 1.000 milhões de nigerianos.
  5. O «dividendo demográfico africano»

População africana

A economia africana

  1. A Nigéria é a maior economia da África seguida pela África do Sul, o Egito, a Argélia, Angola, o Marrocos, o Sudão, o Quénia, a Etiópia...
  2. Os principais setores económicos africanos são a agricultura (25 % do PIB) e os serviços.
    1. O setor manufatureiro africano: unicamente o 10 % do PIB da África.
  3. As mulheres africanas são um dos pilares do desenvolvimento económico da África (70 por cento da mano de obra agrícola).
  4. A revolução móvel africana
  5. A África: o continente emergente ou o próximo «mercado pioneiro ou fronteiriço»?
    1. A Nigéria: o primeiro mercado fronteiriço do mundo.

Isabel dos Santos: a mulher mais rica da África (Angola)

O comércio intraafricano

A visão da União Africana: aumentar ao 25 % o comércio intraafricano (atualmente: 10 %) mediante a integração regional. O plano de ação para estimular o comércio intraafricano.

O objetivo final: criar o mercado comum africano «A zona de comércio livre continental africana (CFTA)» (um millardo de pessoas, um PIB combinado de 1,2 trilhões de dólares) composta pelos cinquenta e quatro países africanos.

África Zona de livre Comercio

  1. O papel-chave das Comunidades Económicas Regionais (CER)
  2. Os produtos africanos têm um custo competitivo «EXW» mas o processo de distribuição na África (transporte e logística, manutenção, aduanas, stockage...) incrementa o preço final gerando uma perda de competitividade.
  3. Demasiadas barreiras ao comércio intraafricano (a diversificação das exportações, a falta das infraestruturas, as barreiras comerciais, o comércio transfronteiriço, as aduanas...)
  4. O Banco Africano de Desenvolvimento estima que o custo de transportar um contentor de Durban (África do Sul) para Lusaca (Zâmbia) - 1.633 quilómetros é de 8.000 dólares enquanto custa unicamente 1.800 de Durban para o Japão
  5. Os postos fronteiriços de uma sola parada podem ajudar a reduzir os tempos de desalfandegamento nas fronteiras africanas. Por exemplo, na fronteira entre o Uganda e o Quénia (Malaba), o passo das fronteiras foi reduzido de 24 horas (2011) a 4 horas (2012).
  6. A importância as cadeias de valor africanas
  7. Os atraso nas aduanas africanas: doce dias (na Ásia Central: seis dias)
  8. Os sistemas financeiros na África são limitados e não estão totalmente integrados regionalmente, o que gera altos custos de transação e também altos níveis de risco.
    1. Um dos pilares do sistema financeiro africano é o setor bancário transfronteiriço.

O comércio internacional africano

80 % das exportações africanas são exportadas fora da África

  1. A África, a fábrica do mundo?
  2. A Ásia é o terceiro mercado de exportação da África (26 % do comércio internacional total africano). As principais exportações são os produtos básicos.
  3. A China é o primeiro mercado de exportação da África (50 % do total das exportações africanas: carburantes e recursos naturais). A China é o primeiro inversor na África.
  4. A Índia: 25 % do total das exportações de produtos africanos, o Brasil 13 %, a África do Sul 11 % e a Rússia 1 %
  5. O comércio África-BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul) 500 millardos de dólares
  6. Os principais produtos exportados pelos países BRICS para a África são os produtos manufaturados (principalmente da China) e os produtos alimentários (principalmente do Brasil)

Cooperação África-BRICS

Os países africanos sem litoral

Quinze países africanos não têm acesso ao mar: o Botsuana, o Burquina Faso, o Burundi, o Chade, a República Centro-Africana, a Etiópia, o Lesoto, o Maláui, o Mali, o Níger, o Ruanda, a Suazilândia, Uganda, a Zâmbia e o Zimbábue.

  1. Custos logísticos elevados (até um 77 %)
  2. Solução: os corredores africanos do transporte
  3. A África precisa 93 millardos de dólares (15 % do PIB da África) em investimentos em infraestruturas.

Corredor de transporte africano do norte

Universidade Hispano-Africana de Negócios Internacionais
Universidade Hispano-Africana de Negócios Internacionais

Confiamos na África

Educação superior em Inglês Bachelor's Degree in Inter-African Business Cursos à distância EaD em Francês Licence en affaires interafricaines Educação superior em Espanhol Licenciatura en negocios interafricanos



(c) EENI- Escola de Negócios & Universidade Hispano-Africana de Negócios Internacionais (1995-2018)