Chile-Comunidade Andina

EENI- Escola Superior de Negócios Internacionais

Conteúdo programático da subunidade curricular: Comunidade Andina-Chile

  1. As relações comerciais Comunidade Andina-Chile
  2. O comércio exterior entra a Comunidade Andina e o Chile
A subunidade curricular «A Comunidade Andina e o Chile» estuda-se:
  1. Mestrados à distância: América, Mercados Fronteiriços, Relações Económicas, Negócios Internacionais
  2. Doutoramento Negócios na América
  3. Cursos: Países andinos, América do Sul.

Língua de estudo: Português + Espanhol CAN Chile Inglês CAN Francês CAN.

Descrição da subunidade curricular: a Comunidade Andina-Chile

Em 1969 foi criado o Acordo de Cartagena. Em 1976, o Chile decidiu abandonar o Acordo de Cartagena. Através a Decisão 645, adotada em 20 de setembro de 2006, o Chile converte-se em um membro associado da Comunidade Andina, trinta anos após a sua saída. Subscreve-se, em 24 de novembro, a Ata de Constituição da Comissão Mista Comunidade Andina-Chile e realiza-se a sua primeira reunião.

O comércio internacional entre a Comunidade Andina (Bolívia, a Colômbia, o Equador, Peru) e o Chile atingiu 4.655 milhões de dólares, cifra que apresentou uma redução de 35% com respeito ao comércio exterior do ano anterior (7.116 milhões de dólares)

As exportações andinas para o Chile totalizaram 2.328 milhões de dólares, cifra inferior em 46% à registada no ano anterior. Nos últimos dez anos as exportações andinas cresceram com uma taxa acumulada média anual de 13%.

O principal exportador andino para o Chile é o Peru.

No entanto, as exportações do Equador para o Chile atingiram 896 milhões de dólares, quantidade que representou o 39% das exportações andinas para dito país. Segue-lhe o Peru, a Colômbia e finalmente a Bolívia com 31, 27 e 3% respetivamente.

Acordos de comércio livre (ACL) da Comunidade Andina - acordos de comércio livre (ACL) do Chile.

Exemplo da subunidade curricular - A Comunidade Andina-Chile:
Comércio Exterior Comunidade Andina-Chile



Universidade U-EENIPaz, Não Terrorismo