Agnosticismo e negócios

EENI- Escola Superior de Negócios Internacionais

Conteúdo Conteúdo programático da unidade curricular: Agnosticismo (Ética e negócios):

  1. Introdução ao Agnosticismo
  2. Bill Gates
  3. Warren Buffett
  4. O Compromisso de dar

Créditos

A unidade curricular «Agnosticismo: ética e negócios» estuda-se:
  1. Doutoramento profissional Ética, Religiões e Negócios (educação à distancia)

Idioma de estudo: Espanhol Agnosticismo Inglês Agnosticism.

Descrição Descrição da unidade curricular: Agnosticismo.

O termo Agnosticismo deriva do grego: «a»-não «gnosis» - conhecer, isto é, a significação seria o «não-conhecimento». Não é em se uma religião superior, senão mais bem uma filosofia da vida.

Um agnóstico admite que o humano, o finito, não pode nem entender nem atingir o infinito, devido a o seu desconhecimento e ao não poder ser demonstrado a sua não-existência, adota a postura agnóstica.

O agnosticismo é tão antigo como a história das religiões. Grandes filósofos, matemáticos ou escritores definiram-se como agnósticos. Na era axial os filósofos começaram a refletir sobre o desconhecimento de Deus.

No século XIX o escritor e biólogo inglês Tomé H. Huxley, e um dos maiores defensores da teoria da evolução de Carlos Darwin, e pai do escritor Aldous Huxley («Um Mundo Feliz») afirmou:

«Inventei o termo «agnosticismo» por que foi apropriado. Os agnósticos procuravam precisamente o conhecimento sobre as coisas que eu não sei».

O grande historiador Arnold Toynbee, nos primeiros volumes da sua monumental «Estudo da história» declarava-se agnóstico, mas nos últimos volumes declarou-se cristão. O insigne filósofo espanhol D. José Ortega e Gasset, já avisou dos perigos do Agnosticismo, dizendo que foi uma espécie de rendição do homem ante a pesquisa de Deus.

Seja como for, a posição deste ensaio é respeitar absolutamente aos que sentem-se agnósticos, ainda e tendo presente a reflexão de Ortega e Gasset.

É muito difícil saber exatamente o número de agnósticos no mundo, já que muitos inquéritos não diferenciam entre o agnosticismo e o ateísmo. A única referência relativamente válida é a do Instituto Pew que estima que 16% da população mundial não creem em nada (neste estudo incluía-se tanto ao agnosticismo como ao ateísmo), segundo estes dados o Agnosticismo seria a terceira «crença» do mundo pelo número de pessoas, por trás do cristianismo e do Islão.

A Ética e o Agnosticismo.

Não achamos que exista nenhum relacionamento direto entre a ética e o agnosticismo, tanto em sentido positivo como em negativo. Um agnóstico pode ter uns fortes princípios éticos mas igualmente pode não os ter. Por isso, não é possível definir a priori uns princípios éticos dos agnósticos.

No entanto, uma das iniciativas filantrópicas mais importantes de Ocidente, «o Compromisso de dar» foi criada pelos dois dos empresários mais importantes do mundo: Bill Gates e Warren Buffett, ambos agnósticos.

Wole Soyinka (Prémio Nobel de Literatura) é ateu.

Bill Gates
Bill Gates homem de negócios norte-americano

Warren Buffett
Warren Buffett homem de negócios norte-americano

Negócios Ahimsa

Alguns agnósticos famosos

- Homens de negócios: Warren Buffett (1930), Bill Gates (1955), Elon Musk (1971- fundador de Tesla Motores e PayPal, Jorge Soros (1930)

- Escritores: Samuel Beckett (1906-1989, Prémio Nobel Literatura), Jorge Luís Borges, Alberto Camus (Prémio Nobel Literatura), Artur Conan Doyle, Aldous Huxley, Francisco Kafka, Tomé Mann (Prémio Nobel Literatura), Vladimir Nabokov, Marcel Proust, Stendhal, Émile Zola...

- Políticos: Michelle Bachelet (1951, Ex presidenta do Chile), Helen Clark (1950, Primeira -ministra Nova Zelândia), François Hollande (1954, Presidente da França), Ricardo Lagos (1938, ex-presidente do Chile), Jawaharlal Nehru (1889?1964 Ex Primeiro -ministro da Índia), José Luís Rodríguez Zapatero (1960, ex-presidente de Espanha).

Negócios Internacionais com ética.



Universidade U-EENI